iNFRADebate: Pandemia e transição energética

Estamos num tempo de grandes incertezas, de instabilidade, de disrupções e, o pior, de lutos. O Coronavírus nos trouxe um espelho em que somos obrigados a olhar e constatar nossos limites como seres humanos e nossos erros como humanidade. Nós não podemos tudo e sabemos muito pouco. O vírus se impõe, expõe desigualdades e não negocia. Nossa responsabilidade coletiva hoje é salvar vidas, seguindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde e dos órgãos de saúde competentes, enquanto milhares de cientistas ao redor do mundo buscam vacinas e tratamentos. Sim, porque mesmo tendo que aceitar nossos limites, temos a capacidade de nos unir para ampliar conhecimento e resolver o problema, o que é a grande virtude de nossa espécie.

Escolhas e Oportunidades

Tempos de pandemia, momentos de disrupção que leva a destruição criativa Shumpeteriana, volta do crescimento, da renda, do emprego e de melhor qualidade de vida. Essa seria o roteiro ideal, com que todos sonhamos. Será possível? Ninguém sabe. As perguntas mudaram e ainda não temos as novas respostas. Quando teremos? Ninguém sabe. Qual o novo patamar do preço do petróleo e como fica a transição energética? Ninguém sabe. Quando teremos a vacina para o Covid-19? Ninguém sabe. Quando será a reabertura da economia no Brasil? Ninguém sabe. Nos economistas, os cientistas políticos, jornalistas e toda a sociedade estamos tentando encontrar respostas novas, como os cientistas que trabalham dia e noite nos laboratórios tentam descobrir a vacina que combata a Covid-19. Quem achar nesse momento que possui as respostas ou soluções, ou está olhando pelo retrovisor ou são oportunistas vendendo ilusões. Nesses momentos sombrios e com a economia dizimada a principal virtude e a modéstia.

Custos de Transação

O excesso de regulação e regulamentação tem gerado um crescimento da burocratização da economia, significando aumento dos custos das empresas e consequentemente de toda sociedade. Mudar essa lógica e esse comportamento será mais um desafio transformacional a ser enfrentado no pós coronavírus. O excesso de exigências regulatórias e regulamentares, absolutamente desnecessárias, matam o espírito do empreendedorismo e com isso o espírito do capitalismo. Muita regulação e regulamentação afetam sobremaneira dois recursos muito valiosos para quem quer investir em novos empreendimentos: seu tempo e sua capacidade de experimentar coisas novas.

Destruição Criativa

Em 1942 Joseph Schumpeter escreveu um livro chamado Capitalismo, Socialismo e Democracia. Esse livro se transformou num clássico da literatura econômica e leitura obrigatória. Aliás em tempo de isolamento vale citar o escritor Eduardo Agualusa: “Ler, é a melhor maneira de contrariar o isolamento. Leitores não são ilhas. São universos em expansão.”

Populismo nunca dá certo

O governo precisa, entender que as concessões ligadas a serviço de infraestrutura são públicas, e não políticas. Nossas autoridades tanto federais como estaduais parecem não ter esse entendimento, principalmente, em períodos eleitorais e de crise. Com isso, os melhores investidores privados são afastados desses setores e se perpetuam no país serviços de infraestrutura de baixa qualidade, comprometendo a competitividade dos produtos brasileiros e penalizando toda a sociedade. E os tão sonhados e desejados investimentos em infraestrutura nunca chegam no montante que o país precisa.