Aumenta a defasagem negativa entre o preço de refinaria da gasolina e do diesel

Por CBIE

De acordo com a atualização mais recente, em 26 de julho, o preço médio do diesel na refinaria nacional ficou em R$ 0,29/ litro (ou -9,4%) abaixo do preço no Golfo do México (EUA). O resultado deve-se a valorização de 8,8% no preço internacional do diesel, somado a leve variação negativa de 0,2% na taxa de câmbio (R$/US$), com relação à semana anterior (19/07). Não houve ajustes no preço doméstico do diesel na semana em análise.

Veja o histórico dos últimos 12 meses no gráfico abaixo:

Na média semanal (de 19 a 26 de julho), o preço do diesel na refinaria nacional permaneceu em R$ 0,20/litro (ou -6,6%) abaixo do preço no Golfo do México (EUA).

O preço da gasolina doméstica ficou R$ 0,57/litro (ou -17,3%) abaixo do preço no Golfo do México (EUA), em 26 de julho. O resultado teve influência da apreciação de 8,9% no preço internacional da gasolina, com relação à última semana, e da variação da taxa de câmbio, citada acima. Não houve ajustes no preço doméstico da gasolina na semana em análise.

Acompanhe a variação nos últimos 12 meses:

Na média semanal (de 19 a 26 de julho), o preço da gasolina na refinaria nacional permaneceu R$ 0,46/litro (ou -14,6%) abaixo do preço do Golfo do México.

No período em análise, o preço do barril de petróleo tipo Brent permaneceu sob influência dos efeitos da pandemia do coronavírus (Covid-19). Desde junho, a crescente disseminação global da variante Delta tem se tornado a principal ameaça contra à recuperação da economia mundial e a consequente demanda por energia. Se anteriormente Europa e Ásia eram os continentes mais impactados, hoje, as Américas e a África também registram o aumento de infecções.

Com exceção dos Estados Unidos (EUA), que reduziram o ritmo de vacinação, a aceleração na Europa tem resguardado o verão de novas restrições sociais. A declaração da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmando ter atingido 70% da população no bloco com ao menos uma vacina, respalda a confiança no consumo de combustíveis durante o verão. O epicentro de mortes e contaminados da variante Delta, atualmente, é no continente asiático. Embora a China também tenha progredido na imunização, os países vizinhos, como a Indonésia, com baixa imunização, ainda são severamente impactados, o que influi diretamente na economia de Pequim e no consumo de petróleo.

A desaceleração da imunização nos EUA desde junho tem se refletido com o aumento de casos nas duas últimas semanas. Embora com baixa taxa de letalidade, a nova mutação já freia a contínua flexibilização das medidas de restrição social. A recomendação, na última semana, de que mesmo os vacinados com duas doses voltem a usar máscaras em ambientes fechados acendeu os alertas. Entretanto, assim como nas semanas anteriores, o verão no hemisfério norte continua sendo o propulsor da commodity.

A reativação econômica dos EUA sustentou a cotação da commodity durante o primeiro semestre de 2021. Para o segundo semestre, sem os mesmos estímulos econômicos e com o temor da nova mutação, não há a mesma confiança por parte do mercado. As revisões negativas por parte do banco Goldman Sachs para o crescimento econômico em 2021 e 2022 reforçam as suspeitas sobre o maior demandador de petróleo no mundo. Por enquanto, entretanto, a demanda continua firme. De acordo com o Departamento de Energia Americano (DoE), houve a primeira alta semanal depois de dois meses nos estoques de petróleo bruto, com o aumento de 2,1 milhões de barris nos estoques semanais da commodity, na contramão das expectativas de redução em 1,5 milhão de barris. A despeito das incertezas com a variante delta e os dados de estoque, a cotação da última semana se encerrou com valorização do petróleo na cotação internacional.

Após as disputas dentro da OPEP+, o aumento da oferta a partir de agosto, em 400 mil barris por dia, aliviou os riscos de excesso de demanda no curto prazo. Por outro lado, para longo prazo, analistas discutem sobre as possiblidades de sobreoferta. As variáveis em questão são a política de preços da OPEP a partir de 2022 e a condução do acordo nuclear entre EUA e Irã.

POSTS RELACIONADOS

    SIGA NOSSA NEWSLETTER

    ENERGIA SEMANAL