Preços do diesel e da gasolina na refinaria nacional permanecem abaixo da referência internacional

RIO – De acordo com a atualização mais recente, em 18 de maio de 2020, o preço médio do diesel na refinaria nacional ficou R$ 0,37/litro (ou 22,1%) abaixo do preço no Golfo do México (EUA). O resultado deve-se a elevação de 19,7% no preço internacional do diesel, com relação ao preço da semana anterior (11/05), e a redução de 1% na taxa de câmbio (R$/US$). Não houve ajuste no preço do diesel na refinaria doméstica durante a semana em análise. Contudo, a Petrobras realizou um aumento de 8% no preço do diesel no dia 19 de maio, cujo impacto será analisado na próxima atualização de dados.

Veja o histórico dos últimos 12 meses no gráfico abaixo:

Na média semanal (de 11 a 18 de maio), o preço do óleo diesel na refinaria nacional ficou R$ 0,19/litro (ou 12,4%) abaixo do preço no Golfo do México (EUA).

O preço da gasolina doméstica ficou R$ 0,49/litro (ou 30,2%) abaixo do preço no Golfo do México (EUA), em 18 de maio. Contribuiu para o resultado, a elevação no preço internacional da gasolina, de 14,2%, e a variação da taxa de câmbio, já citada. Com a finalidade de reduzir a diferença com relação ao preço internacional, a Petrobras realizou um novo aumento no preço nacional da gasolina, de 10%, a partir de 14 de maio, e outro de 12%, com vigor a partir de 21 de maio.

Acompanhe a variação nos últimos 12 meses:

Na média semanal (de 11 a 18 de maio), o preço da gasolina na refinaria nacional ficou R$ 0,41/litro (27,5%) abaixo do preço do Golfo do México (EUA).

A elevação dos preços internacionais da gasolina e do diesel deve-se a continuidade da recuperação dos preços do barril de petróleo. Nesta semana, os preços do petróleo foram impulsionados pelas expectativas de uma recuperação econômica gradual, à medida que alguns países começam a flexibilizar os bloqueios em razão do coronavírus (COVID-19). Além disso, houve a influência de notícias otimistas sobre uma possível vacina para o COVID-19. Consequentemente, os contratos futuros atingiram o maior nível desde meados de abril em decorrência das notícias positivas, dos sinais de recuperação gradual da demanda e dos cortes de produção.

Veja a variação anual.

(Fonte: CBIE)

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese