Energia nuclear tem papel importante no combate à mudança climática

Por Adriano Pires

É uma fonte limpa frente às fósseis

Histórico de segurança é favorável

Compensa questão da sazonalidade

Está nos planos de EUA e Rússia

 

De 22 a 23 de abril, foi realizado o Leaders’ Climate Summit, a Cúpula de Líderes sobre o Clima convocada pelo governo norte-americano. O evento contou com a presença de 40 líderes mundiais com o objetivo de estimular a criação de planos por parte das grandes economias para reduzir as emissões de poluentes e gás carbônico até 2030.

O encontro prepara os países para as discussões para a COP26, a Conferência do Clima da ONU (Organização das Nações Unidas), prevista para novembro, na cidade de Glasgow, na Escócia.

No evento desta semana, o anfitrião, Joe Biden, presidente dos Estados Unidos, afirmou se tratar de uma “década decisiva” para enfrentar a mudança climática, e anunciou que os EUA cortarão as emissões de carbono em 50% a 52% abaixo dos níveis de 2005 até 2030. Ainda em seu press release, os Estados Unidos estabeleceram uma meta de atingir 100% de eletricidade livre de poluição a carbono até 2035. A aposta para essa redução está nas renováveis, mas o caminho a ser trilhado deve considerar as plantas de energia nuclear existentes no país. O presidente russo, Vladimir Putin, ao declarar que a Rússia pretende alcançar a neutralidade em carbono até 2050, destacou a energia nuclear como uma fonte praticamente “livre de emissões”.

Um dia antes do início do Climate Summit, o presidente do Comitê de Energia e Recursos Naturais do Senado dos EUA, Joe Manchin, escreveu uma carta endereçada ao presidente Joe Biden dizendo sobre a importância da energia nuclear para atingir a meta de zero carbono. “Sem qualquer mudança na política, metade da atual frota nuclear se aposentará até 2030. Em 2019, a energia nuclear impediu a emissão de 476 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono e representou 55% do total de eletricidade livre de emissões nos Estados Unidos. Qualquer fechamento posterior seria prejudicial para o cumprimento de quaisquer metas climáticas”, disse ele.

A energia nuclear voltou ao debate nas reuniões entre líderes e governantes globais, quando discutido o tema mudanças climáticas. A contribuição que a energia nuclear tem dado por décadas para reduzir as emissões globais é certa, porém seus números não são amplamente divulgados como ocorre com as fontes de energia renováveis. Apesar de usar como combustível o urânio, diferente dos demais fósseis, a produção de energia nuclear é de baixo carbono, não contribuindo para as emissões diretas de gases de efeito estufa (GEE).

A energia nuclear pode ser a solução na configuração atual em que há a busca pela redução de emissões, em prol do clima global, ao tempo em que garante a resiliência do sistema elétrico, que dará suporte à retomada das economias pós-pandemia. Há países que já optaram pela energia nuclear como uma fonte confiável, econômica e limpa de eletricidade, com a finalidade de desempenhar um papel cada vez mais importante no atendimento ao desafio mundial de energia e clima. Outros países decidiram não depender da energia nuclear devido a várias considerações, incluindo custos e preocupações com a segurança e gestão e eliminação de resíduos radioativos.

Atualmente, a energia nuclear fornece 10,2% da eletricidade mundial. Existem cerca de 440 reatores de energia nuclear operando em 32 países que representam mais de 60% da população global. Outros 53 reatores estão em construção em 19 países, o equivalente a cerca de 15% da capacidade instalada existente. Em 2019, as usinas nucleares forneceram 2.657 TWh de eletricidade, ante 2.563 TWh em 2018.

Em prol das questões climáticas, esforços internacionais, combinados nos últimos 20 anos, aumentaram a quantidade de eletricidade gerada por fonte eólica, solar e outras renováveis, mas não conseguiram deslocar os combustíveis fósseis da posição principal do mix de geração. Do total de fósseis, o carvão ainda configura a maior participação na matriz elétrica mundial. Assim, sendo, defensores da energia nuclear alegam que não será possível atingir o objetivo da redução de carbono de maneira rápida sem a energia nuclear.

De acordo com Rafael Mariano Grossi, diretor geral da IAEA (Agência Internacional de Energia Atômica), “A energia nuclear está entre 3 coisas neste debate particular. É uma solução presente, é uma alternativa de futuro e também é um articulador.” É uma solução atual, disse ele, porque responde por 1/3 da energia limpa e nas economias avançadas sua participação é ainda maior. Também está presente por causa do grande número de países que estão considerando a adoção da energia nuclear como uma parte de baixo carbono de sua matriz elétrica, acrescentou.

Mas a energia nuclear não é perigosa? Bem, o histórico de segurança da energia nuclear em comparação com os meios tradicionais de geração de eletricidade é reconfortante. Os projetos de reatores nucleares atualmente disponíveis são baseados em tecnologias maduras e comprovadas que, em alguns casos, foram licenciadas para operar por 80 anos.

Além disso, há uma ampla variedade de pequenos reatores modulares e projetos de reatores avançados atualmente em desenvolvimento, com alguns prontos para implantação em curto prazo. Eles oferecem maior flexibilidade e são adequados para ajudar a descarbonizar o calor e o transporte, bem como a eletricidade –aumentando ainda mais a sustentabilidade.

De acordo com o professor de bioquímica da UCC (University College of Cork da Irlanda) William Reville, “a segurança operacional não é mais um problema com a nova geração de pequenos reatores modulares (SMRs). Eles são projetados para falhar em caso de emergência e não podem explodir. As usinas nucleares são muito eficientes, funcionando ininterruptamente 94% do tempo, e os novos SMRs são projetados para ajustar rapidamente a produção de energia para complementar quedas na geração de eletricidade por energias renováveis quando os ventos não sopram e o sol não brilha”.

No Brasil, a geração nuclear teve início com a inauguração de Angra 1, em 1984, com 640 MW de potência, e posteriormente Angra 2, em 2001, com 1.350 MW de potência. A construção de Angra 3 se iniciou nos anos 1980 e foi paralisada, contando com cerca de 65% das obras concluídas, atualmente. Com a conclusão da obra, a usina acrescentará 1.405 MW de capacidade instalada à matriz brasileira. No início de março, o presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou a Medida Provisória nº 998/2020, transformada na Lei nº 14.120/2021 (íntegra – 134 KB), com uma nova governança para a retomada das obras da usina nuclear de Angra 3, em Angra dos Reis (RJ).

A lei, também, atribui ao CNPE (Conselho Nacional de Política Energética) a outorga para autorização da exploração da usina; e a celebração do contrato de comercialização da energia elétrica produzida por Angra 3. Além disso, a lei transferiu para a União as ações detidas pela CNEN (Comissão Nacional de Energia Nuclear) no capital social da INB (Indústrias Nucleares do Brasil) e Nuclep (Nuclebrás Equipamentos Pesados), sem ônus para a União. A INB e a Nuclep serão transformadas em empresas públicas, vinculadas ao MME (Ministério de Minas e Energia). A partir daí será possível pensar em mais usinas nucleares na matriz, talvez com parcerias privadas para acelerar os projetos.

O sistema elétrico brasileiro vem ampliando a participação das renováveis, mas em decorrência da intermitência e sazonalidade dessas fontes, o planejamento precisa priorizar a segurança energética por meio de termoeletricidade nuclear e a gás natural, que são as fontes mais limpas entre as fósseis. Dessa forma, o país se mantém em linha com a tendência mundial pela redução das emissões de gases poluentes e garante a segurança na oferta de eletricidade, sem exposição às intempéries climáticas.

 

 

Fonte: Poder360
Tags: Adriano Pires, CBIE, CBIE na Mídia, Cúpula de Líderes sobre o Clima, Economia, Energia, EUA, Joe Biden, Leaders’ Climate Summit, Mudança climática

POSTS RELACIONADOS

    SIGA NOSSA NEWSLETTER

    ENERGIA SEMANAL