O que significa ‘greenwashing’?

Por Adriano Pires

Termo se torna cada vez mais comum e explica descaso com agenda sustentável

 

Net-zero, captura de carbono, ESG: atualmente somos cada dia mais bombardeados com novas nomenclaturas relacionadas a sustentabilidade. Como esperado, mais um termo está surgindo nas mídias: greenwashing. Mas o que isso significa?

“Greenwashing” refere-se a alegações de marketing enganosas, feitas por empresas para sugerir falsamente um benefício ambiental. Resumindo, é quando empresas de todo e qualquer setor utilizam em suas campanhas de marketing um slogan sustentável em seus produtos e/ou serviços mas, na realidade, não estão fazendo nenhum esforço ambiental real. Para os consumidores não é simples verificar se as campanhas e alegações sustentáveis são verdadeiras; o greenwashing aproveita-se dessa confusão.

Apesar de ter se tornado mais comum nos últimos anos, o termo greenwashing não é tão novo. Em 1986, o ambientalista norte-americano Jay Westervelt inventou a palavra em um ensaio sobre a prática da indústria hoteleira de colocar cartazes nos quartos estimulando a reutilização de toalhas para “salvar o meio ambiente”.

O ambientalista observou que, na maioria dos casos, pouco ou nenhum esforço para reduzir o desperdício de energia estava sendo feito pela indústria hoteleira. Westervelt concluiu que o objetivo real dessa “campanha verde” era envolver o hóspede e aumentar a receita dos hotéis. Segundo Westervelt, uma espécie de lavagem verde.

À medida que organismos e regulamentações internacionais exigem, cada vez mais, que o consumo e os investimentos sejam mais sustentáveis, o potencial para a lavagem cresce. Com isso, as mensagens e ações contraditórias podem ameaçar a capacidade coletiva de evitar as mudanças climáticas.

Mas como mitigar os riscos associados ao greenwashing? Transparência dos dados e regulamentação.

Empresas precisam dar mais informações e com maior transparência ao seu consumidor final. O apoio à agenda verde não pode estar apenas no discurso. Investidores e consumidores querem ver planos concretos com início, meio e fim.

Dos EUA à China, os governos estão projetando rubricas, elaborando padrões e criando regulamentos para definir o que é considerado “verde”. Como disse Tariq Fancy, ex-diretor de investimentos para investimentos sustentáveis da BlackRock, “nosso tempo está se esgotando e precisamos aceitar a verdade: para consertar nosso sistema e conter um desastre crescente, precisamos que os governos estabeleçam as regras”.

Embora a maioria das empresas de petróleo mundial tenham declarado se comprometer para a redução das emissões de carbono, quase todas continuam com altos investimentos presentes e futuros voltado para a exploração dos combustíveis fósseis.

O API (American Petroleum Institute), o principal lobby do petróleo nos Estados Unidos, vem defendendo a precificação do carbono. No entanto, há quem diga que, tecnologicamente falando, as empresas de petróleo não podem cumprir os limites de emissões que tornariam o carbono dos EUA neutro até 2050. Ao que tudo indica, essas companhias continuarão com os seus negócios, repassando as taxas de carbono aos clientes.

Há quem diga que essa revolta contra os combustíveis fósseis nada mais é que um golpe político progressista, com novas oportunidades, abrindo espaço para se ganhar dinheiro. Grandes fundos de pensão sindicais norte-americanos e gestores de ativos, como o BlackRock, estão tentando maior aproximação com importantes players do setor de combustíveis fósseis que têm muito poder em Washington.

Fundos de investimento acostumados a aconselhar sobre fusões e vendas de ações estão ajudando os executivos a levar em consideração os riscos ambientais nas transações e a incorporar a sustentabilidade na estratégia geral. Muitos bancos e fundos criaram equipes com o objetivo de quantificar a receita que pode ser obtida com esse tipo de consultoria.

De acordo com uma análise publicada na revista Climatic Change, mais de US$ 2 bilhões foram gastos em lobby na legislação de mudança climática nos Estados Unidos de 2000 a 2016. Segundo o sociólogo ambiental Robert Brulle, da Drexel University, autor da pesquisa, a quantidade de dinheiro gasto influenciando a legislação climática representou 3,9% dos gastos totais de lobby nos EUA durante estes últimos 16 anos.

Brulle analisou quase 2 milhões de documentos de lobby disponíveis ao público coletados pelo Center for Responsive Politics, um grupo de pesquisa apartidário em Washington, D.C. que monitora o dinheiro gasto em eleições e lobby nos EUA.

Chama atenção a proporção gasta durante esses 16 anos das despesas de lobby relacionadas ao clima. O setor de energia elétrica foi o que gastou mais dinheiro em lobby climático: US$ 554 milhões entre 2000 e 2016. A indústria de combustíveis fósseis gastou US$ 370 milhões, enquanto a indústria de transporte, incluindo companhias aéreas, gastou US$ 252 milhões.

Combinados, esses 3 setores respondem por mais de 56% de todas as despesas de lobby relacionadas ao clima. As organizações ambientais gastaram US$ 48 milhões, representando 2,3% do lobby total do clima, e os grupos de energia renovável gastaram US$ 79 milhões, ou 3,8%. Outros setores, como agricultura, silvicultura e associações comerciais, respondem pelas despesas restantes.

A luta contra as mudanças climáticas será cada vez mais importante para que o mundo não sofra consequências difíceis de serem quantificadas. As mudanças climáticas são como um copo de água que vai se enchendo por conta gotas, mas que está prestes a transbordar.

Muitos governos e empresas, de maneira irresponsável, nos bombardeiam com novas nomenclaturas relacionadas a sustentabilidade, tirando a transparência, não democratizando o debate e não olhando as questões sociais e a desigualdade existente nas diferentes regiões do mundo. A agenda ambiental tem de ser construída junto com a social. Caso contrario, o greenwashing só vai proliferar.

 

 

Fonte: Poder360
Imagem: (Brian Yurasits/Unsplash)
Tags: Adriano Pires, Agenda sustentável, CBIE, CBIE na Mídia, Descaso, Energia, Greenwashing, Infraestrutura, Marketing, Meio ambiente, Poder360

POSTS RELACIONADOS

    SIGA NOSSA NEWSLETTER

    ENERGIA SEMANAL