A Guiana pode virar uma nova potência petrolífera, escreve Adriano Pires

Adriano Pires, para o Poder360

A Guiana pode virar uma nova potência petrolífera, escreve Adriano Pires
A Guiana pode se tornar a 2ª maior produtora de petróleo do continente, atrás só do Brasil (Foto: Agência Brasil)

Com duas descobertas promissoras feitas pela Exxon em fevereiro, a Guiana pode se tornar uma emergente potência da indústria petrolífera. A descoberta de grandes reservas de petróleo em águas profundas ocorreu a mais de 150 km de sua costa, fronteira norte com o Brasil. Como sempre ocorre em países com baixo grau de desenvolvimento, a Guiana terá de ultrapassar a atual instabilidade política e jurídica e a falta de infraestrutura adequada para viabilizar a operação.

Detalhes do acordo de exploração e produção com a ExxonMobil (45% de participação) e seus sócios Hess (30%) e CNOOC (25%) já causam controvérsia local no que tange à distribuição da renda petrolífera entre as empresas e a Guiana. Os valores são gigantescos e podem levar riqueza a toda a sociedade da Guiana.

O problema é que historicamente descobertas como essa têm trazido a chamada maldição do petróleo. O exemplo maior da maldição está ao lado: a Venezuela. Para o Brasil, o surgimento da Guiana é uma amostra de como novas fronteiras podem surgir para disputar investimentos na indústria do petróleo.

Desde 2015, a Exxon vem fazendo descobertas na Guiana cujo volume total está estimado em mais de 5 bilhões de barris de reservas recuperáveis. A Exxon acredita que o volume possa chegar a 10 bilhões e pretende começar a produzir 120 mil b/d (barris por dia) no Campo de Liza em 2020, planejando aumentar esta produção em até 50% ao ano até 2025, para até 750 mil b/d.

Com isso, a Guiana poderá se tornar o 2º maior produtor da América do Sul, depois do Brasil. Projetando um preço médio do barril do petróleo a US$ 60 no período, a receita dessa produção poderá alcançar mais de US$ 15 bilhões por ano.

Considerando o cenário de transição energética no médio prazo, em que as fontes fósseis são gradualmente substituídas por fontes renováveis, há um incentivo para a indústria e os governos acelerarem a exploração do petróleo e do gás natural como está ocorrendo nos Estados Unidos com o shale oil e gas. Os Estados Unidos já são atualmente o maior produtor de petróleo e gás do mundo e brevemente se transformarão também, no maior exportador dessas duas fontes de energia.

A Exxon segue um cenário de crescimento da demanda de óleo e gás global até pelo menos 2040. Anunciou investimentos de US$ 200 bilhões nos próximos 7 anos. A Exxon projeta que sua produção de óleo e gás total será 25% maior em 2025 do que em 2017, que foi de 4 bilhões de barris equivalentes de petróleo por dia.

Outras empresas têm se movimentado para adquirir licenças para explorar na região e seu entorno. Nos países próximos à costa da Guiana onde estão estes campos, que vão desde o Suriname e Guiana Francesa até o norte do Brasil, há expectativa por parte da indústria de petróleo de se descobrirem grandes reservatórios.

Na costa norte do Brasil, encontra-se a Bacia da Foz do Amazonas, com uma área de mais de 250 mil km², onde a Petrobras já perfurou poços com descobertas de gás natural na década de 1970. Desde a 1ª rodada da ANP em 1998, a mais de 100 quilômetros da costa, blocos nesta bacia já foram licitados e adquiridos pela Petrobras e outras grandes empresas, que não obtiveram sucesso na região e desistiram da área. As novas descobertas de petróleo em 2011 na Guiana Francesa trouxeram de volta interesse nessa Bacia.

Em 2013 o consórcio liderado pela francesa Total (40%), Petrobras (30%) e BP (30%) arrematou 5 blocos na Bacia da Foz do Amazonas no mar do Amapá e deram inicio ao processo de licenciamento em 2015. A ideia seria iniciar a exploração em 2017.

Entretanto, o Ibama rejeitou recurso apresentado pelo Total impedindo a perfuração nos cinco blocos que tinham sido comprados no leilão de 2013. Em dezembro de 2018, a Total foi informada pelo Ibama que não cabem mais recursos administrativos contra sua decisão.

Esses 5 blocos são vizinhos aos da Exxon na Guiana. Nada contra a necessidade de licenciamento ambiental, mas há que se ter bom senso e menos radicalismos nas decisões que podem impedir que o Amapá e sua população mudem toda a sua história, usufruindo os benefícios da renda do petróleo. Enquanto isso, na Guiana os investimentos poderão transformar o país num grande produtor de óleo.

(Fonte: Poder360)

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese