Pandemia pode redesenhar matriz energética mundial, escreve Adriano Pires

Demanda despencou no 1º trimestre

Pior cenário em 70 anos

Apenas renováveis se salvaram

Por Adriano Pires para o Poder360.

Preço do petróleo foi derrubado por alta oferta e baixa demanda durante pandemia (Foto: Eduardo Moody/ANP)

O FUTURO DA ENERGIA

No fim de abril, a AIE (Agência Internacional de Energia) divulgou o Global Energy Review 2020. O relatório que comumente traz a revisão e análise do setor energético no ano anterior, excepcionalmente, apresenta também um panorama do setor no último trimestre e orientações para o ano de 2020. A expansão da cobertura deve-se à pandemia da covid-19. Portanto, a análise da AIE visa não apenas traçar 1 caminho possível para o uso de energia e as emissões de gás carbônico (CO2) em 2020, mas também destaca os muitos fatores que podem levar a diferentes comportamentos neste ano da pandemia.

Em todo o mundo, de meados de março ao final de abril, a queda na demanda global de energia primária afetada pelo isolamento obrigatório total ou parcial disparou de 5% para 52%, como mostra o Gráfico 1.

Gráfico 1 – Percentual da demanda global de energia primária afetada por isolamentos obrigatórios
Fonte: Global Energy Review 2020 (AIE)

A análise da AIE dos dados diários até 14 de abril coletados para 30 países, representando mais de 2/3 da demanda global de energia mostra que os países em isolamento total sofreram um declínio médio de 25% na demanda de energia por semana e os países em isolamento parcial apresentam um declínio médio de 18%.

Por conta do drástico corte da atividade econômica, a demanda global por energia diminuiu 3,8%, ou 150 milhões de toneladas equivalente de petróleo (Mtep), no 1º trimestre de 2020 com relação a igual período de 2019. A maior parte do impacto foi sentida em março, quando medidas de confinamento foram aplicadas na Europa, América do Norte e outros países.

A demanda global de carvão foi a mais atingida, caindo quase 8% em comparação com o 1º trimestre de 2019. A explicação e a China, uma economia baseada em carvão e país mais atingido pelo covid-19 no 1º trimestre.

O petróleo teve uma queda de quase 5% no 1º trimestre, principalmente, devido à redução da mobilidade (terrestre, aquaviária e aérea), que representam quase 60% da demanda global de petróleo. Restrições a viagens e o fechamento de locais de trabalho e fronteiras reduziram drasticamente o uso de veículos particulares e viagens aéreas, enquanto a restrição da atividade econômica global freou o uso de óleo diesel e combustível no transporte, rodoviário e marítimo. No final de março, a atividade global de transporte rodoviário estava quase 50% abaixo da média de 2019 e a aviação, 60%.

O impacto da pandemia na demanda de gás foi mais moderado, em torno de 2% no 1º trimestre de 2020. A China, Europa e EUA foram os que apresentaram os declínios mais significativos. A queda na demanda nos principais mercados foi atenuada pelos preços baixos do combustível, deslocando grande parte do impacto devido à menor demanda de eletricidade no carvão. Os níveis de armazenamento de gás aumentaram acentuadamente no 1º trimestre de 2020 devido aos aumentos no comércio anual de GNL (Gás Natural Liquefeito), combinados à menor demanda.

A produção das usinas nucleares do mundo também diminuiu no 1º trimestre de 2020. A maioria das reduções na participação da energia nuclear foi causada pela menor demanda de eletricidade, somada ao fechamento permanente planejado de instalações nucleares. A União Europeia foi a responsável pela maior redução.

As energias renováveis foram a única fonte que registrou um crescimento na demanda, de 1,5%, nos primeiros 3 meses de 2020. O aumento foi impulsionado pela maior capacidade instalada de projetos eólicos e solares e pelo acionamento prioritário. As energias renováveis recebem prioridade na rede por não precisarem ajustar sua produção no atendimento à demanda. Como resultado, a participação de energias renováveis no mix de geração de eletricidade aumentou consideravelmente, com gerações horárias recorde de renováveis na Bélgica, Itália, Alemanha, Hungria e parte do leste dos EUA.

A AIE estima uma queda de 6% no consumo de energia em 2020, anulando os últimos 5 anos de crescimento da demanda. Tal declínio será o maior observado nos últimos 70 anos, como é possível notar no Gráfico 2. O impacto da covid-19 na demanda de energia em 2020 seria 7 vezes maior do que a que ocorreu na crise financeira de 2008. Caso os esforços para conter a propagação do vírus e reiniciar as economias forem mais bem-sucedidos, o declínio na demanda de energia poderá ser inferior a 4%.

Gráfico 2 – Taxa de variação na demanda global de energia primária, 1900-2020
Fonte: Global Energy Review 2020 (AIE)

Todos os combustíveis, exceto as renováveis, devem experimentar grandes reduções, como mostra o Gráfico 3. Algumas fontes terão as suas maiores contrações na demanda por décadas. Em alguns casos, as quedas anuais serão mais fortes do que as observadas no primeiro trimestre.

Gráfico 3 – Projeção da variação na demanda de energia primária por combustível em 2020 em relação a 2019
Fonte: Global Energy Review 2020 (AIE)

A demanda por petróleo pode cair em 9%, ou 9 milhões de barris por dia em média ao longo do ano, com o consumo de petróleo retornando aos níveis de 2012. O consumo de carvão em 8%, em grande parte porque a demanda por eletricidade será quase 5% menor ao longo do ano. A recuperação da demanda de carvão para a indústria e a geração de eletricidade na China poderia compensar quedas maiores em outros lugares. A demanda de gás poderá cair muito mais ao longo do ano do que no 1º trimestre, com o aprofundamento da crise econômica.

A demanda por energia nuclear também cairia em resposta à menor demanda de eletricidade. Espera-se que a demanda por fontes renováveis aumente devido aos baixos custos operacionais e ao acesso preferencial a muitos sistemas de energia. O recente crescimento da capacidade, com alguns novos projetos entrando em operação em 2020, também aumentaria a produção.

Na estimativa da agência, a demanda global de eletricidade cairá 5%, em 2020, com reduções de 10% em algumas regiões. As fontes de baixo carbono superariam em muito a geração a carvão em todo o mundo, ampliando a liderança estabelecida em 2019.

As emissões globais de CO2 deverão diminuir em 8%, ou quase 2,6 gigatoneladas (Gt), para níveis similares aos de 10 anos atrás. Essa redução ano a ano seria a maior de todos os tempos, 6 vezes maior que a redução recorde anterior de 0,4 Gt em 2009 –causada pela crise financeira global– e duas vezes maior que o total combinado de todas as reduções anteriores desde o final da 2ª Guerra Mundial. Como após crises anteriores, no entanto, a recuperação das emissões pode ser maior que o declínio, a menos que a onda de investimentos para reiniciar a economia seja dedicada a uma infraestrutura de energia mais limpa e mais resiliente.

A crise desencadeada pela COVID-19 e as medidas tomadas para retardar sua expansão tiveram um impacto profundo na demanda de energia global, sem efeitos iguais nos últimos 70 anos. O resultado total da situação, ainda desconhecido, só será determinado pelo tempo de duração das medidas de isolamento, pelo sucesso da reabertura da economia e pelo tempo que vai demorar a chegada da vacina. Esse contexto sem precedentes e os pacotes de estímulo que os governos estão adotando moldará o setor de energia nos próximos anos, com mudanças significativas na composição da nova matriz energética mundial.

(Fonte: Poder360)

Adriano Pires é sócio fundador e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese