Práticas ESG e seu impacto no setor de energia, por Adriano Pires e Pedro Rodrigues

Pós pandemia: Brasil pode se beneficiar

ESG: traz confiança para o investidor

Por Adriano Pires e Pedro Rodrigues para o Poder360.

No início do ano, a BlackRock, maior gestora do mundo, anunciou seu comprometimento em reduzir o aquecimento global. Em janeiro, a gestora passou a fazer parte da Climate Action 100+, uma iniciativa que propõe pressionar as grandes empresas poluidoras a aumentar seu comprometimento com o meio ambiente.

Com cerca de US$ 7 trilhões sob gestão, ela vem desde então realizando diversas medidas para modificar estruturas que comprometem o meio ambiente através da sua influência e poder financeiro como grande acionista em diversos setores da economia.

Neste mês, a BlackRock informou que votou contra o conselho de 53 companhias no mundo, principalmente do setor energético, devido à falta de progresso em relação a questão ambiental e aconselhou outras 191 companhias a tomarem alguma ação.

A decisão inédita da gestora demonstra uma tendência mundial de preocupação com o clima. O Brasil, com sua ampla riqueza, diversidade energética e um grande potencial de energias limpas e renováveis, se bem gerido, com políticas públicas adequadas pode se beneficiar desta tendência e entrar no mundo pós pandemia com uma grande vantagem comparativa. Atualmente, o país possui uma matriz energética mais limpa que a média mundial.

No mundo, há cerca de US$ 20 trilhões em fundos com critério ESG (Environmental, Social, and Governance), ou seja, investimento com o olhar em algum critério ambiental, social e/ou de governança e a expectativa é que esse número cresça no futuro.

Segundo um estudo do GSIA (Global Sustainable Investment Alliance), de 2018, o valor do mercado global de investimentos sustentáveis pode chegar a cerca de US$ 31 trilhões, ou seja, 36% dos ativos financeiros totais sob gestão no mundo. Segundo um estudo do Morgan Stanley, houve um crescimento de 144% no número de fundos ESG nos Estados Unidos entre 2004 e 2018.

CRESCIMENTO NO NÚMERO DE FUNDOS ESG

Os fundos ESG trazem um grau maior de confiança para o investidor com essa preocupação, pois seguem métricas relacionadas aos pontos em que atuam na defesa do meio ambiente e direitos humanos. Na questão social, as métricas colaboram para que o investidor possa entender as preocupações da empresa com os direitos humanos e com as relações trabalhistas condições de qualidade.

São levados em consideração a relação com a comunidade, responsabilidade com o consumidor, saúde, segurança e treinamentos dos colaboradores, atividades beneficentes e diversidade. Nesta questão, um dos quesitos que pode ser analisado, por exemplo, é a quantidade de mulheres e de homossexuais e de outras tendências sexuais, ou seja, zero de homofobia em cargos de liderança.

Já as métricas ambientais demonstram como as empresas exploram os recursos naturais, o seu nível de poluição e de emissão de resíduos e de carbono. Essa questão é de suma importância principalmente quando a empresa lida com recursos escassos ou poluentes, capazes de gerar um grande impacto no planeta como um todo.

Ademais, empresas que seguem métricas de boa governança costumam ser mais transparentes e confiáveis, por exemplo, evitando casos de corrupção. Nesse ponto, é levado em consideração também os direitos dos acionistas, a composição do conselho de administração e as políticas de remuneração. Estes critérios são flexíveis e podem variar de acordo com a realidade de cada país. Atualmente, as gestoras costumam seguir critérios de certificadoras, como a Morningstar, que definiram seus próprios critérios.

Dessa forma, os fundos ESG são relevantes não apenas para reduzir a desigualdade social ou os impactos ambientais, mas também para dar ao investidor mais clareza sobre os recursos alocados. Essas práticas evitam que o investidor venha a ser surpreendido com escândalos envolvendo empresas em que seus recursos estão investidos e, consequentemente, suas ações e ativos percam valor no futuro. No mundo, grandes empresas como a Apple, Amazon e Microsoft já estão aderindo a estas práticas.

O processo das empresas de implementação de boas práticas ainda deve levar um tempo. No entanto, seguindo a tendência global, grandes bancos e gestoras brasileiras anunciaram neste ano a criação de fundos ESG. O Santander, por exemplo, anunciou que através da sua gestora Santander Asset pretende incluir na sua sede brasileira, critérios ESG em todos os seus fundos.

Ademais, em janeiro, a XP divulgou que iria investir R$ 100 milhões em dois fundos voltados para empresas brasileiras que sigam estas práticas. Outras gestoras, como a Veritas, JGP, e a Mauá também já lançaram seus respectivos fundos ESG. A bolsa de valores brasileira (B3), conta ainda com alguns índices ligados a questão da sustentabilidade e governança, como:

  • o Índice Carbono Eficiente (ICO2), que promove um futuro de baixo carbono;
  • o Índice de Governança Corporativa (IGCT), focado em questões éticas;
  • o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), que foca em incentivar a aderência as práticas ESG.

No Brasil, empresas do mercado de energia já vem se adaptando a estas novas práticas. No caso do Petrobras, apesar de ainda ter um longo caminho pela frente, em um encontro com investidores no ano passado, a empresa se comprometeu a adotar práticas ESG e apresentou dez compromissos de sustentabilidade, que vem adotando como o crescimento zero das emissões operacionais de carbono até 2025 e a redução de 30% na captação de água doce da empresa no mesmo período.

Entre 2009 e 2019, a empresa aumentou em cerca de 40% a sua produção de óleo e gás, sem que fossem aumentadas as emissões absolutas nesta área. Ademais, a empresa se comprometeu junto com a Iniciativa Climática para óleo e gás (OGCI) a reduzir a meta da intensidade de emissão de carbono nas atividades de exploração e produção, da média de 23 kg de CO2/boe em 2017 para 20 kg a 21 kg de CO2/boe até 2025.

Com foco em se adaptar às práticas ESG, a Cosan lançou recentemente diversas medidas sustentáveis, como a redução de 15% nas emissões por tonelada por quilômetro rodado de suas locomotivas até 2025 e a redução da pegada de carbono do etanol da Raízen em até 10% até 2030. A empresa também se comprometeu em buscar formas de financiamento atreladas a critérios de sustentabilidade, como green bonds e social bonds.

Em relação a questão da governança, a Cosan divulgou uma proposta para gerar mais transparência através de uma estrutura societária mais simples e dar o mesmo direito de voto a todos os investidores.

As empresas brasileiras do setor de energia ainda possuem um longo caminho a percorrer, sobretudo aquelas ligadas ao setor de óleo e gás. No entanto, é essencial que  se comprometam de fato com boas práticas ambientais, sociais e de governança para atrair recursos e investimentos nacionais e internacionais cada vez mais preocupados com as questões climáticas, sociais e de governança.

Esses fatores deixarem de ser somente uma preocupação de grupos ambientais e passaram a ser fonte determinante no fluxo financeiro dos maiores representantes do capitalismo. O Brasil, possui uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo. No setor elétrico, grande presença da geração hídrica e com crescimento da geração solar, eólica e de biomassa.

Nos combustíveis líquidos, temos o biodiesel e etanol, responsáveis pelo fato de termos cidades, como São Paulo, com qualidade superior a da maioria dos países. Temos tudo para ser um grande polo de atração de investimentos ESG no mundo. Não posemos e não devemos deixar de aproveitar essa nossa vantagem comparativa que poderá nos levar a ser um grande player no mundo pós pandemia.

(Fonte: Poder360)

Adriano Pires é sócio fundador e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Pedro Rodrigues é sócio do Centro Brasileiro de Infraestrutura e sócio fundador do CBIE Advisory.

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese