Quem tem medo de usinas térmicas inflexíveis?, questionam Pires e Vieira Filho

Diversificação aumenta segurança

Geração térmica cobre lacunas

Por Adriano Pires e Xisto Vieira Filho para o Poder360.

Há uma peça teatral (e um filme) muito famoso, que se chama “Quem Tem Medo de Virginia Woolf”. Na referida peça, este é um jogo de palavras que 2 casais jogam após estarem completamente alcoolizados.

Poderíamos no setor elétrico escrever uma peça similar em todos os sentidos só trocando “Virginia Woolf” por “Térmicas Inflexíveis”.

Primeiramente, iríamos ao jogo de palavras, aquelas usadas quase sempre: vertimento, energia cara, renováveis, térmicas flexíveis, desotimização, emissão de carbono, e tantas outras.

Sim, palavras usadas, geralmente de forma solta em seminários, webinars, artigos e outros palcos para encenações similares.

E o mais interessante de tudo é que essas e outras palavras são lançadas ao vento (sem alusão às eólicas, que tanto prezamos) sem nenhum estudo sério de suporte, ou sem nenhuma análise que dê respaldo e introduza uma discussão inteligente sem dogmas.

Então, para desmistificar essas palavras soltas, que geralmente vêm com afirmações tecnicamente descabidas, vamos aqui colocar alguns conceitos importantes.

Todas as fontes de energia têm o seu valor e os seus atributos em uma matriz elétrica. A diversificação das fontes de forma adequada é o pilar do polinômio segurança energética e elétrica, economicidade, baixo nível de emissões, resiliência.

Com a introdução em maior escala de renováveis (de atributos ambientais de grande relevância), fica patenteada a necessidade de geração térmica para cobrir atributos de segurança elétrica, energética, de resiliência e descoberta de intermitências.

Esses serviços são prestados pelas usinas termelétricas, usinas estas que são de 3 tipos: usinas de base (que são as usinas inflexíveis), usinas de acompanhamento da carga ou “load following” (que aqui no nosso setor são aquelas despachadas por ordem de mérito, ou mais popularmente, quando as chuvas ficam escassas) e as usinas flexíveis (que são aquelas de partida e parada rápida, de possibilidade de operação com potência reduzida ou rampeamentos rápidos).

E qual a mais importante para o nosso sistema elétrico? Os 3 tipos, nas doses certas. Estudos de planejamento e de planejamento da operação, se feitos adequadamente e com responsabilidade, irão indicar os montantes desejáveis de cada tipo de usina.

Vamos, então, ver os atributos de cada fonte térmica, começando pelo tipo que estamos mais acostumados no setor elétrico brasileiro: a térmica de “load following”, que aqui tem sido chamada de térmicas flexíveis (que são de outro tipo). Essas usinas geralmente térmicas de ciclo combinado são despachadas pelo Operador Nacional do Sistema sempre que (de uma forma simplificada) as despesas com o combustível sejam inferiores ao “custo equivalente” de usar as águas dos reservatórios. São usinas muito importantes no Sistema Interligado Nacional e, fornecem (aproximadamente) segurança energética (aproximadamente porque os despachos seguem dados e modelos matemáticos sempre sujeitos a desvios) e segurança elétrica (aproximadamente porque em períodos mais chuvosos não são despachadas e não estão presentes no sistema).

A seguir, teríamos as térmicas flexíveis, na concepção da palavra. São usinas com características especiais de partida, parada e rampeamento rápidos, e que são fundamentais para fazerem face à intermitência das renováveis.

E, finalmente, temos as térmicas inflexíveis, que, em geral, estão despachadas o tempo todo ou grande parte dele. E aí aparecem os 2 receios, de vertimento e de custo alto, por parte de alguns especialistas.

Primeiramente, vamos ver as vantagens das térmicas inflexíveis. Todos sabem que não temos mais usinas hidrelétricas com reservatórios. Como ainda há predominância de hidrelétricas, ficamos sempre na dependência de períodos hidrológicos favoráveis para evitar situações críticas de atendimento à demanda. Ora, a térmica inflexível é como se fosse um reservatório equivalente, usina essa que é a estrela maior da segurança energética, em conjunto com as hidrelétricas com reservatórios.

Com relação ao custo, como temos a possibilidade de utilização de gás natural onshore e offshore no Brasil, estudos demonstram que os custos operativos são perfeitamente compatíveis com os atributos que tais usinas fornecem ao sistema elétrico brasileiro.

E, finalmente, mas não menos importante, estudos também demonstram baixíssima probabilidade de vertimento, com montantes previamente analisados. Aliás, chega a ser até risível a preocupação com pequeníssimas probabilidades de vertimento, quando estamos falando de segurança energética. Nesse momento onde tramitam no Congresso Nacional Projetos de Lei sobre o gás natural e a modernização do setor elétrico é muito importante que deixemos de rotular as térmicas como usinas do passado e façamos uma discussão séria sobre o seu papel fundamental na matriz elétrica brasileira, sob pena de colocarmos em risco a segurança de abastecimento de energia quando ocorrer a retomada do crescimento econômico.

Vamos ter a responsabilidade de acabar com as discussões bizarras sobre a importância das térmicas inflexíveis a gás natural. Ou então, que subam a cortina e comecemos a encenar a peça “Quem Tem Medo de Térmicas Inflexíveis”? Acho que o país não merece presenciar essa encenação.

(Fonte: Poder360)

Adriano Pires é sócio fundador e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Xisto Vieira Filho diretor-presidente da Abraget (Associação Brasileira de Geradoras Termelétricas)..

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese