Usina de Belo Monte, o Brasil profundo, escreve Adriano Pires

Marco para a engenharia nacional

Trouxe desenvolvimento econômico

Gerou grande quantidade de empregos

Adriano Pires para o Poder360.

Usina hidrelétrica de Belo Monte, localizada no Rio Xingu (Foto: Divulgação/Flickr/PAC)

A usina hidrelétrica de Belo Monte é a maior (UHE) 100% brasileira. A usina está localizada no Rio Xingu e será inaugurada em 27 de novembro colocando em operação a sua 18ª e última turbina.

A usina tem capacidade de gerar 11,2 mil MW, com garantia física de 4,7 mil MWmédios, também é a terceira maior usina hidrelétrica do mundo, vindo atrás apenas de Itaipu e da Usina Três Gargantas na China. Suas 18 turbinas, 24 unidades geradoras, 33 barragens e sete canais de transposições são, hoje, uma das maiores garantias de abastecimento de energia elétrica.

Por meio do Sistema Interligado Nacional, a usina fornece energia limpa e renovável para 17 estados brasileiros, por quase metade do preço das demais fontes de energia.

A viabilidade da sua construção vem sendo estudada desde 1975. A UHE Belo Monte teve um longo caminho desde a sua concepção, ato que tornou sua obra grandiosa como o Brasil, em diversos sentidos.

A relevância e repercussão da usina estão presentes desde a sua criação, fruto de conflito entre a questão energética e a questão ambiental. Muito diferente do projeto atual, o projeto original elaborado na década de 80 previa a construção de duas usinas no Complexo Hidrelétrico de Altamira, as usinas Babaquara (6 mil MW) e Kararaô (11 mil MW).

Contudo, a necessidade da inundação de 12 terras indígenas com o deslocamento de 7 mil índios, provocaram uma enorme discussão, envolvendo ONGs e até artista internacionais, inviabilizando o prosseguimento do projeto.

Em 1994, houve a revisão dos estudos, redução da área inundada e garantia de não inundação de terras indígenas. No entanto, só em 2002 o projeto voltou a ser discutido. Ainda assim, discussões sociais e ambientais em torno da viabilidade da obra continuaram impedindo o seu avanço.

Em 2008, o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) definiu que o único potencial a ser explorado no complexo seria o da UHE de Belo Monte, antiga Kararaô no desenho original. Com a alteração, dois anos depois, em 2010, o Ibama concedeu a licença ambiental para execução da obra, permitindo a realização do leilão de concessão para a construção e operação de Belo Monte por 35 anos.

O novo arranjo reduziu a área do reservatório de 1.225 km² para 478 km², uma área pequena se comparada a outros empreendimentos desse tipo. Isso, segundo a licença, iria garantir que nenhuma terra indígena fosse alagada.

Também com o intuito de não alagar áreas indígenas, foi construído um canal de derivação de cerca de 20 km, para desviar o fluxo do Rio Xingu para o lago artificial da barragem principal. Tais medidas que tinham como objetivo reduzir drasticamente o impacto ambiental do projeto, acabou por penalizar gerações futuras de brasileiros pelo mal aproveitamento energético da usina.

O reservatório principal da usina utiliza a tecnologia fio d’água, ou seja, sem reservatórios de acumulação. Caso a UHE Belo Monte tivesse reservatórios de armazenagem ao invés da tecnologia fio d’água, com o mesmo Capex, poderia elevar a garantia física para cerca de 10 mil MWmédios. Com isso, poderia atender o dobro dos 60 milhões de consumidores atuais.

Por questões de cunho ambiental, não se construiu um reservatório maior, entretanto a área no entorno da usina está degradada, ocupada por pastos, fato que contraria a justificativa apresentada. O fato é que ao se decidir por usinas a fio d’água, durante o governo do PT, se abriu mão de uma energia limpa, renovável e barata.

Com o crescimento das energias eólica e solar teremos de construir térmicas mais caras e poluentes para dar segurança ao sistema elétrico, papel exercido anteriormente pelas hidrelétricas. Enquanto nos Estados Unidos o gás natural substituiu o carvão na matriz elétrica americana, no Brasil o gás natural energia fóssil está substituindo as hidrelétricas.

A geração média de energia em Belo Monte é cerca de 40% de sua capacidade total, ficando abaixo da média de 55% das usinas brasileiras. Contudo, ela é comparável à média das hidrelétricas europeias. Esse valor menor se deve às modificações do projeto para se adequar às normas socioambientais, já que a usina foi desenhada para produzir com força total durante o período de chuvas. Devido à sazonalidade, no segundo semestre do ano há períodos em que pode não gerar.

Uma das maiores dificuldades enfrentadas para a sua construção foi a questão de deslocamento, logística e engenharia. Localizada na região da floresta amazônica foi necessária a construção de 518 km de estrada e ramais, 16 pistas de pouso e 31 sistemas de abastecimento de água.

Ao longo da construção foram realizados mais de 115 projetos socioambientais, orçados em cerca de R$ 4,2 bilhões, trazendo inúmeros benefícios sócio econômicos para os municípios de Altamira, senador José Porfírio, Vitória do Xingu, Anapu e Brasil Novo.

Os diversos projetos sociais e educacionais, assim como as obras de infraestrutura desenvolvidas nos municípios do entorno da usina, permitiram a melhora na vida de milhares de pessoas. Altamira, o município mais próximo da usina, viu sua população crescer de 100 mil para 150 mil habitantes e recebeu R$ 1,5 bilhão de investimento. Ademais, cerca de 3,8 mil pessoas que moravam em palafitas passaram a residir em casas seguras.

A inauguração da Usina de Belo Monte merece ser comemorada por vários motivos. Representa mais um marco para a engenharia nacional, trouxe e trará desenvolvimento econômico para a região, preservou a floresta amazônica, bem como as comunidades indígenas, gerou uma grande quantidade de empregos e garante que a matriz elétrica brasileira continuará a ser uma das mais limpas do mundo.

(Fonte: Poder360)

Adriano Pires é sócio fundador e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese