Qual a diferença entre petróleo leve e pesado?

Por CBIE

O petróleo é o óleo cru, bruto, na realidade uma composição complexa de hidrocarbonetos oleosos e menos densos que a água. Na indústria petroleira, a densidade do petróleo é um dos aspectos mais importantes para determinar seu valor. Isso ocorre porque o aproveitamento do petróleo em produtos derivados mais valiosos aumenta conforme a densidade do petróleo original e dos métodos utilizados nas refinarias. Após a separação do petróleo do gás natural e a retirada de água e outras impurezas, o petróleo é aquecido e enviado à torre de destilação atmosférica, também conhecida como destilação fracionada, onde são separados os derivados conforme seus pontos de ebulição, com as frações mais pesadas destiladas na parte inferior e as mais leves na parte superior. O processo é representado na figura abaixo:

<a href=”https://cbie.com.br/petroleo-leve-pesado/opr_2019_destilacao-fracionada/” rel=”attachment wp-att-1870″><img class=”size-full wp-image-1870″ src=”https://cbie.com.br/wp-content/uploads/2019/02/OPR_2019_Destilação-fracionada.png” alt=”Qual a diferença entre petróleo leve e pesado? (Fonte: CBIE)” width=”555″ height=”431″ /></a> Qual a diferença entre petróleo leve e pesado? (Fonte: CBIE)

Ocorre que dependendo da densidade inicial do óleo cru, se ele é <strong>leve</strong> ou <strong>pesado</strong>, as frações de cada tipo de derivado serão produzidas em maior ou menor quantidade, sendo que o óleo pesado produz mais derivados de alto ponto de ebulição como asfalto e óleo combustível enquanto o óleo leve produz mais querosene e gasolina, por exemplo. No mercado global, os derivados mais leves são mais valiosos que os pesados. É importante notar que os produtos mais valiosos, derivados mais leves, passam por outros processos como o craqueamento e alquilação catalítica, que transformam frações mais pesadas em frações mais leves.

De acordo com o Instituto de Petróleo Americano (<em>American Petroleum Institute</em> – API), o padrão de densidade mais aceito mundialmente desde a década de 1920, o petróleo é classificado conforme sua densidade relativa à densidade da água, com a seguinte fórmula:

<strong>ºAPI = (141,5 ÷ densidade da amostra) – 131,5</strong>

Esta fórmula nos dá o grau API, ou °API, do óleo cru testado.
<ul>
<li><strong>Petróleo leve</strong> ou de base Parafínica: Possui ºAPI maior que 31.</li>
<li><strong>Petróleo médio</strong> ou de base Naftênica: Possui ºAPI entre 22 e 31.</li>
<li><strong>Petróleo pesado</strong> ou de base Aromática: Possui ºAPI menor que 22.</li>
</ul>
Se o grau API for maior que 10, o petróleo flutua na água, se for menor que 10, o petróleo é mais denso que a água e afunda. Um óleo cru com grau API menor que 10 é conhecido como extra-pesado, betume ou mesmo asfalto.

No Brasil, o melhor exemplo para o petróleo leve é o que está sob a Camada Pré-sal, que em alguns poços chega a quase 40 ºAPI. Os óleos médios dos campos <em>offshore</em> Bacia de Campos por muito tempo foram a maior parte da produção brasileira. Já os campos <em>onshore</em> brasileiros, em geral na Bacia do Recôncavo, na Bahia, produzem um petróleo pesado, de grau API entre 11 e 15. Na Venezuela, o Campo de Carabobo da faixa do Orinoco é um exemplo de um campo de petróleo extra-pesado, com grau API de 9 ou menos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tags: slider

POSTS RELACIONADOS

    SIGA NOSSA NEWSLETTER

    ENERGIA SEMANAL