Quantos aeroportos existem no Brasil?

O Brasil tem 99 aeroportos, sendo 18 internacionais e 81 para voos regionais. Incluindo os aeroportos, o país possui 2.499 aeródromos, sendo 1.911 privados e 588. O Brasil possui segundo maior número de aeroportos em todo o mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Na definição da Agência Nacional da Aviação Civil (ANAP), entende-se por Aeroporto todo aeródromo público, dotado de instalações e facilidades para o apoio de operações de aeronaves, embarque e desembarque de pessoas e cargas. Entende-se por aeródromo a área definida sobre a terra ou água, destinada à chegada, partida e movimentação de aeronaves.

Entre os 30 maiores aeroportos brasileiros (por movimentação de passageiros), dos 5 maiores, 4 estão no Sudeste (2 em São Paulo, 1 em Minas Gerais e 1 no Rio de Janeiro). Dos 10 maiores, 6 estão no Sudeste (3 em São Paulo, 2 no Rio de Janeiro e 1 em Minas Gerais). Conforme apresentado na tabela 1 abaixo, o maior aeroporto brasileiro é de Guarulhos, em São Paulo, grande parte dessa movimentação deve-se fato de que o aeroporto liga São Paulo a praticamente todas as grandes cidades do Brasil e do mundo.

Tabela 1 – Maiores Aeroportos Brasileiros por Movimentação de Passageiros
(Fonte: ANAC)

Em nossa história, o ano de 1927 marca o início da aviação comercial brasileira. A primeira empresa no Brasil a transportar passageiros foi a alemã Condor Syndikat, no hidroavião “Atlântico”, que em 1º de janeiro de 1927 transportou, do Rio de Janeiro para Florianópolis, o então Ministro da Viação e Obras Públicas, Vítor Konder. Em junho de 1927, era fundada a Viação Aérea Rio-Grandense (Varig), sendo transferido para a nova empresa o avião “Atlântico”, que recebeu o prefixo nacional P-BAAA. A Condor Syndikat foi nacionalizada, com o nome de Sindicato Condor Limitada, sendo rebatizada, durante a II Guerra Mundial, com o nome de Serviços Aéreos Cruzeiro do Sul – absorvida nos anos 80 pela Varig. Em novembro de 1927, era inaugurada a linha para a América do Sul da nova companhia francesa Aeropostale, chegando ao Rio de Janeiro. Em 1933 foi fundada a Viação Aérea São Paulo (Vasp), que posteriormente em 1936 iniciou o voo regular entre o Rio e São Paulo, a linha de maior tráfego da aviação brasileira.

Em 1941, foi criado o Ministério da Aeronáutica e em 1942 a Diretoria de Rotas Aéreas (DR), instituição que deu origem ao que hoje é o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA). A Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) foi criada recentemente, em 2005, como uma agência reguladora federal cuja responsabilidade é de normatizar e supervisionar a atividade de aviação civil no Brasil, tanto em aspectos econômicos quanto segurança técnica do setor. A principal atribuição da Agência consiste na regulação das atividades de aviação civil, o que inclui, por exemplo, a manutenção da segurança de voo, a normatização e supervisão da infra-estrutura aeroportuária, a qualificação e certificação de pessoas, a certificação e validação de novas aeronaves, a monitoração, normatização administrativa e fiscalização das relações econômicas de consumo no âmbito da aviação civil. Existem duas atividades que fazem parte do escopo da aviação civil mas não são atribuições da ANAC: A gestão do tráfego aéreo, realizada pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea); e a investigação de acidentes, cuja responsabilidade é do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

A extensão do país e a dificuldade de se utilizar outros meios de transporte para chegar ao interior do Brasil fizeram com que a aviação comercial tivesse uma expansão excepcional no Brasil. Em 1960, o país tinha a maior rede comercial do mundo em volume de tráfego depois dos Estados Unidos. Até o início da década de 2000, a circulação aérea doméstica do Brasil, apresentada na figura 1, impressiona por suas dimensões.

Figura 1 – Mapa da circulação aérea doméstica no Brasil
(Fonte: Anuário da Aviação Civil 2001)

(Fonte: CBIE)

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese