Bolsonaro inaugura termoelétrica em Sergipe que usa 100% de gás importado

Por CBIE

Estado tem reserva farta no pré-sal

Cerimônia não citou gás importado

Bento Albuquerque exaltou projeto

Por Poder360.

O presidente Jair Bolsonaro participou nesta 2ª feira (17.ago.2020), ao lado do ministro Bento Albuquerque (Minas e Energia), de cerimônia para a inauguração de uma termoelétrica em Sergipe que será movida 100% com gás natural importado de outros países.

Durante o encontro, em nenhum momento foi citado o fato de que o gás usado será integralmente importado. Sergipe tem uma das maiores reservas descobertas do pré-sal, com possibilidade de vazão de até 20 milhões de metros cúbicos por dia de gás natural.

Ocorre que o gás está a 80 quilômetros da costa. As plataformas de exploração desse combustível não têm gasodutos para enviar o insumo até o continente nem plantas em alto-mar para liquefazer o produto e transportá-lo em navios. Hoje, esse tipo de operação é economicamente inviável: há muita oferta de gás natural no mundo e frotas de navios que fazem o transporte.

Todos os países que usaram o gás natural como energia de transição para uma matriz mais limpa tiveram de instituir políticas de Estado para melhorar a infraestrutura de escoamento. No Brasil, não existe essa prioridade.

É por essa razão que a Termoelétrica Porto de Sergipe 1 utilizará o terminal privado de regaseificação de gás natural liquefeito (GNL) que acaba de ser inaugurado. O projeto visa a abastecer, prioritariamente, a Celse, empresa local de energia, de propriedade da brasileira EBrasil e da norueguesa de transporte marítimo Golar Power.

Em seus discursos, Bolsonaro e Bento Albuquerque exaltaram a termoelétrica, que terá capacidade de abastecer com energia até 16 milhões de pessoas. Também falaram sobre levar o gás natural para outras localidades do Nordeste. O que ninguém menciona é que será gás importado e que, possivelmente, o transporte será por estradas, com caminhões.

No evento, Bento Albuquerque disse:

“O terminal de GNL, o 1º totalmente privado do país –em breve teremos outros na região Norte, Sudeste e Sul– tem capacidade para regaseificar até 21 milhões de metros cúbicos por dia, equivalente a 3,5 vezes o consumo diário da térmica. Com isso, o terminal representa uma grande porta de entrada de gás não apenas para a região Nordeste, mas também para o país”.

Bento também falou a favor da chamada Lei do Gás, dizendo que o projeto está prestes a ser aprovado. Não mencionou que no texto inexistem incentivos do Estado para induzir o mercado a usar gás do pré-sal brasileiro. O governo quer que a falta de infraestrutura (construção de gasodutos) seja resolvida integralmente com dinheiro da iniciativa privada. O ministro Paulo Guedes (Economia) defende que a Câmara aprove o projeto, que desde o fim de julho tramita em regime de urgência, do jeito que ele está hoje.

A Lei do Gás tem como relator o deputado Laércio Oliveira (PP-SE), que foi 1 dos principais organizadores do evento desta 2ª feira (17.ago), muito favorável à Golar Power, a importadora do gás natural.

“Estamos muito próximos da implantação do PL 6.407, a nova Lei do Gás, que irá trazer segurança jurídica para a atração de investimentos, fundamental para a recuperação da economia e geração de renda e emprego. […] O texto do PL 6.407 está integralmente alinhado com as propostas do novo mercado de gás”, declarou Oliveira.

Bolsonaro fez 1 discurso mais curto e afirmou:

“A energia de Roraima, que vinha lá de Guri (Linhão de Guri, em Puerto Ordaz, na Venezuela), agora não vem mais. São de termoelétricas a óleo. Elas são 4 vezes mais caras a gerada aqui agora por essa termoelétrica a gás”, disse.

O presidente também disse que é preciso ampliar os investimentos privados no país, já que o orçamento federal é “carimbado” em despesas obrigatórias.

Assista à integra (5min2s):

FALTA INFRAESTRUTURA E GÁS REINJETADO

A malha de gasodutos do Brasil é pequena. Tem 9.400 quilômetros. Há menos infraestrutura para o transporte do insumo por aqui do que na Argentina, que tem 1/3 do território.

Além de ter pouca infraestrutura, o Brasil estimula a importação de gás natural liquefeito, uma vez que há grande oferta do produto no mercado internacional. E se contenta com a reutilização do gás extraído do pré-sal como meio de aumentar a produção de petróleo. A reinjeção do gás aumenta a pressão nos campos de extração, o que facilita a saída do óleo.

Os dados históricos disponíveis mostram de maneira clara no infográfico abaixo como o país está há mais de uma década desperdiçando essa fonte energética. O volume quase integral de gás natural que sai dos poços do pré-sal tem sido reinjetado.

Relatório divulgado pelo Ministério de Minas e Energia mostra que os 56 milhões de m³ de gás natural reinjetados por dia correspondem a 45% da produção nacional.

Outros dados mostram que, de 2006 a abril de 2020, o Brasil teria deixado de gastar US$ 24 bilhões com a importação do gás caso pudesse ofertar no mercado nacional o produto que já é extraído aqui.

PARA PETROBRAS, GASODUTO NÃO É NECESSÁRIO

Em junho, a diretora de refino e gás natural da Petrobras, Anelise Lara, defendeu a reinjeção de gás natural em poços de exploração do pré-sal. Ela afirmou ainda que não falta infraestrutura para o escoamento do gás.

“Não falta infraestrutura hoje para disponibilizar o gás do pré-sal. Muito dessa crítica vem associada à questão de que parte desse gás que produzimos é reinjetado. E que se tivesse infraestrutura, esse gás poderia ser comercializado”, disse em webinar promovido pelo IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis).

Especialista no setor e sócio-fundador e diretor do CBIE (Centro Brasileiro de Infraestrutura), Adriano Pires rebate a afirmação de Anelise. Segundo ele, se a afirmação da executiva da Petrobras fosse totalmente verdadeira, a participação do gás na matriz energética brasileira não estaria estagnada há mais de uma década.

“Só tem falta. Se tivesse infraestrutura você hoje teria uma participação do gás na matriz energética superior a 13%. Esse número é o percentual que permanece aí nos últimos 15 anos. Para aumentar mercado de gás no Brasil, precisa de infraestrutura”, disse.

Pires afirma que, para viabilizar a construção de gasodutos no país, é necessário atrair investimentos e a devida demanda. Ele fez discurso na live “Gás do Pré-Sal: o desafio da universalização do acesso ao gás natural”, promovido pelo Media Lab Estadão, divisão de conteúdo patrocinado do jornal, em parceria com a Comissão de Energia do Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), também estava confirmado, mas não participou.

Assista à integra do evento:

Adriano Pires disse que o marco regulatório do setor precisa ser alterado, mas declarou que a Lei do Gás discutida no Congresso é tímida.

“Em 2019, ninguém previa a pandemia em 2020. Essa pandemia mudou a cabeça de todo mundo. Todos os projetos merecem uma releitura. A gente vai ter dificuldade maior de atração de investimentos de gás e todos os setores. Todos os países saíram prejudicados”, afirmou o analista.

Ele disse que é preciso uma postura mais radical para incentivar investimentos no setor. O projeto que tramita no Congresso altera 2 artigos e inclui mais 1, segundo Pires.

“Infraestrutura gera muita renda e emprego. Essa disputa maior de investimentos obriga a gente a rever alguns pontos do projeto para que vá para o mundo pós-pandemia de forma mais ousada e que o gás passe a ser protagonista na matriz energética. E não que a gente siga parado no mesmo lugar em que estamos há uns anos”, disse.

PORTO DE SERGIPE

A Petrobras descobriu em junho do ano passado 6 campos de gás natural, nos quais seria possível extrair 20 milhões de metros cúbicos por dia –o equivalente a 1/3 da atual produção brasileira.

O governo federal, ancorado na promessa do ministro Paulo Guedes de baratear em até 50% o custo da energia, defende o empreendimento como motor para reduzir o custo.

Em entrevista ao Poder360, o secretário de Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia do Estado de Sergipe, José Augusto Carvalho, disse que há potencial para atender Alagoas, Bahia, Ceará e Pernambuco com o transporte feito por meio de caminhões.

Sem a infraestrutura necessária para a extração do pré-sal, projetos de termoelétricas –que são mais danosas ao meio ambiente e com menos riscos de gerar desabastecimento no país– usam gás natural importado.

(Fonte: Poder360)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tags: CBIE, Gás, Petrobras, slider

POSTS RELACIONADOS

    SIGA NOSSA NEWSLETTER

    ENERGIA SEMANAL