Excedente da cessão onerosa se mostra viável até com petróleo menos valorizado

Mesmo diante dos preços menos remuneradores para o petróleo no mercado internacional nos últimos meses, o leilão do excedente da cessão onerosa, em 6 de novembro, deve se manter viável e atrair uma boa participação de investidores e companhias, apontaram especialistas. Eles ponderam, entretanto, que o governo precisa avançar em pontos importantes, sobretudo nos debates no Tribunal de Contas da União (TCU), para evitar o risco de o certame ser transferido para o ano que vem, frustrando a expectativa do governo de ter o recurso em caixa ainda em 2019.

Amazônia azul à vista

A exploração de riquezas como o petróleo na costa marítima brasileira será a etapa seguinte da polêmica entre preservação do ambiente e aproveitamento de recursos naturais.

Atração de investimentos deve acompanhar pacote de privatizações

O governo federal anunciou nesta quarta-feira (21) um grande pacote de privatizações, que inclui estruturas como a Eletrobras, os Correios, a Casa da Moeda, a Empresa Brasil de Comunicação (EBC) e a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU). Ao todo, são 17 empresas que deixarão de ser estatais. Entrevistado pelo Instituto Millenium, o economista Adriano Pires disse que esta é uma “excelente notícia”, mas fez um alerta: o governo precisa atrair investimentos para retomar a economia.