Combustíveis nacionais seguem com defasagem negativa em relação aos preços internacionais

Por CBIE

De acordo com a atualização mais recente, em 21 de janeiro de 2021, o preço médio do diesel na refinaria nacional ficou R$ 0,35/litro abaixo (ou -14,6%) do preço no Golfo do México (EUA). O resultado deve-se redução de 1,3% no preço internacional do diesel, com relação ao preço da semana anterior (14/1), combinado ao aumento de 1,0% na taxa de câmbio (R$/US$). Não houve reajustes no preço nacional do diesel na refinaria, na semana em análise.

Veja o histórico dos últimos 12 meses no gráfico abaixo:

Na média semanal (de 14 a 21 de janeiro), o preço do óleo diesel na refinaria nacional ficou R$ 0,33/litro abaixo (ou -14,1%) do preço no Golfo do México (EUA).

O preço da gasolina doméstica ficou R$ 0,34/litro abaixo (ou -14,5%) do preço no Golfo do México (EUA), em 21 de janeiro. O resultado teve influência da diminuição de 1,2% no preço internacional da gasolina, com relação à semana anterior, e da variação da taxa de câmbio, citada acima. Em 19 de janeiro, a Petrobras reduziu o preço da gasolina na refinaria nacional em 7,9%.

Acompanhe a variação nos últimos 12 meses:

Na média semanal (de 14 a 21 de janeiro), o preço da gasolina na refinaria nacional ficou R$ 0,39/litro abaixo (-16,8%) do preço do Golfo do México (EUA). 

O preço do barril de petróleo, variável importante para o preço internacional de gasolina e do diesel, permaneceu sob efeito do receio de avanço da pandemia de coronavírus (Covid-19) pelo mundo e o risco de novos lockdowns de curto prazo. Houve notícias de novos surtos de Covid-19 na China, enquanto outras grandes economias apresentaram desaceleração dos casos. Além disso, o início da vacinação cada vez mais países vem impulsionando o preço.

Houve a influência do aumento, maior do que o esperado, dos estoques de petróleo nos EUA, de acordo com dados divulgados pelo American Petroleum Institute (API). Também influenciou o relatório da Organização dos Exportadores de Petróleo (OPEP), projetando que o apetite global por petróleo permanecerá moderado no primeiro trimestre de 2021, em razão das medidas de bloqueio contra o novo coronavírus e ao aumento das taxas de infecção. Já nas revisões da Agência Internacional de Energia (AIE) as projeções de demanda global de 2021 foram reduzidas em 600 mil barris diários e estimou que os estoques globais de petróleo cairão 100 milhões de barris no primeiro trimestre, com quedas mais acentuadas na segunda metade do ano.

Além disso, os preços do petróleo foram motivados por expectativas de que o novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, promova estímulos econômicos substanciais, elevando a demanda por combustíveis, e dê início a políticas que limitariam a oferta de petróleo.

 

 

Fonte: CBIE
Tags: Brasil, Combustíveis, Defasagem, Diesel, Gasolina, Golfo do México, Preços, Refinaria de petróleo

POSTS RELACIONADOS

    SIGA NOSSA NEWSLETTER

    ENERGIA SEMANAL