Modelos sustentáveis estão na mira

Mudanças são oportunidade para o Brasil

Presidente eleito dos EUA, Joe Biden. (Foto: lev radin/Shutterstock)

O candidato democrata, Joe Biden, foi eleito o novo presidente dos Estados Unidos. Com a eleição de Biden, surgem novas perspectivas em relação a política energética e ambiental americana. Com base nas propostas de campanha, existe a expectativa de que o novo presidente implemente políticas voltadas para a transição energética e incentive soluções verdes. Também, é dado como certo a volta dos Estados Unidos ao Acordo Climático de Paris. O acordo prevê o comprometimento dos Estados Unidos com a redução da emissão de gases causadores do efeito estufa em até 28% até 2025, com base nos níveis de 2005. O presidente eleito considera as mudanças climáticas uma ameaça existencial e deve se unir às propostas globais focadas em reduzir as emissões de carbono.

A vitória de Biden significa, também, um retorno à agenda das energias renováveis. Sua visão se contrasta com a do atual presidente à medida que Biden elege o combate às mudanças climáticas como uma de suas prioridades. Nos últimos quatro anos, Trump priorizou os combustíveis fósseis, saiu de acordos globais de redução de emissão de gases poluentes, reduziu as regulamentações climáticas, e segundo a Universidade de Harvard, revogou 80 leis ambientais relativas, principalmente, a setores da indústria pesada, como mineração e extração e produção de energia.

O presidente eleito pretende destinar US$ 4 trilhões em quatro anos para a transição energética. Deste total, metade deve ser destinado à sua promessa de campanha de tornar os Estados Unidos independentes do carvão e do petróleo, até 2035, e livre de carbono, até 2050. Biden defende, ainda, que o investimento em energias renováveis e na produção sustentável seria o caminho para fortalecer os trabalhadores sindicalizados, bastante presentes nesses setores.

No âmbito local, Biden anunciou que pretende incentivar a instalação de milhões de painéis solares, incluindo sistemas solares comunitários, estimular a instalação de dezenas de milhares de turbinas eólicas, inclusive offshore, e acelerar a pesquisa em tecnologias de armazenamento por baterias. No entanto, enquanto as baterias estão em fase de pesquisa, como forma de incentivar o desenvolvimento de fontes renováveis e intermitentes, o presidente eleito, acreditem, pretende investir em energia nuclear como forma de backup. Seu plano prevê a instalação de pequenas centrais nucleares pelo país.

Entusiasta dos automóveis, Biden pretende levar a transição energética também para o setor automobilístico e incentivar a mobilidade elétrica. A sua equipe estima que a transição para modelos elétricos na indústria deve gerar mais de um milhão de novas vagas de emprego. Para que isto seja possível, diversos incentivos econômicos estão sendo estudados. Segundo a Wood Mackenzie, a implementação das políticas de Biden deve levar a um total de 4 milhões de carros elétricos até 2030. O valor é 60% a mais do que o previsto com base nas políticas de Donald Trump.

Para que a transição para automóveis elétricos seja possível e eficaz, a equipe de Biden irá investir também em aumentar a atual infraestrutura de recarga, ainda pouco difundida no país. Ele pretende investir cerca de US$ 1 bilhão ao ano no processo durante os próximos cinco anos. É esperado que, até 2030, o número de pontos de recarga passe dos atuais 87.600 para 500 mil. Para 2030, o presidente eleito também pretende zerar as emissões de gases poluentes de novos ônibus americanos. Ainda em relação a mobilidade urbana, Biden pretende prover transporte público sustentável através de investimentos federais para cidades com 100 mil ou mais habitantes.

Na indústria de gás, Biden pretende usar fontes renováveis para produzir hidrogênio livre de carbono ao mesmo custo do gás de xisto, através de inovações tecnológicas, como o uso de eletrolisadores de próxima geração. Ele pretende ainda implementar um programa para capturar as emissões da produção de shale gas e de gás natural no país até 2024. Ademais, apesar de não haver nenhuma proposta em torno da proibição de fracking, Biden se comprometeu a encerrar as vendas de novos blocos para exploração de petróleo e gás em terras e águas públicas. Segundo um estudo da Wood Mackenzie, caso a proposta se efetive, a expectativa é que em 2035 a produção offshore de petróleo e gás americana será cerca de 30% menor.

É aguardado que o viés ambiental afete também a política externa do país. A expectativa é que o governo Biden cobre dos países com quem mantém relações multilaterais, políticas ambientais em linha com o processo de descarbonização da matriz energética. Durante sua campanha, o presidente eleito criticou a política ambiental brasileira em torno da preservação da Amazônia. Na ocasião, ele citou que esperava reunir com outros países cerca de US$ 20 bilhões para a preservação da floresta, mas que caso o Brasil não aceitasse mudar sua postura, haveria consequências econômicas. Atualmente, o Brasil já sofre desgaste nas relações com alguns países europeus por conta da questão ambiental.

A chegada de Joe Biden ao governo americano poderá gerar mudanças em relação à forma que a maior economia do mundo lida com o meio ambiente e o setor energético. No entanto, é bom lembrar que transições energéticas são sempre longas e que, hoje, o papel do shale oil e do shale gas é muito importante para a economia americana. É bom não esquecer que através do shale, os Estados Unidos voltaram a ser o maior produtor de petróleo e de gás natural do mundo. Além disso, a indústria do shale foi uma das principais responsáveis pelo crescimento econômico e geração de emprego nos últimos anos na economia americana. A pandemia colocou na frente da vitrine a discussão ambiental numa forma mais emocional com menos racionalidade econômica, trazendo um certo populismo ambiental.

Em relação ao Brasil, não temos dúvidas de que o país pode ser uma potência verde no mundo pós-pandemia. Portanto, a política ambiental e de transição energética do governo Biden não pode ser considerada como uma ameaça e, sim, como uma oportunidade para o Brasil. O desafio do Brasil é ter políticas públicas que mantenham o grau de penetração de fontes renováveis e limpas, bem como da preservação da Amazônia. É preciso termos um discurso inteligente, onde a nossa vantagem comparativa, de grandes produtores e consumidores de energias renováveis, bem como de um agronegócio sustentável, seja apresentado ao mundo. Meio ambiente e transição energética são assuntos onde o Brasil pode ser exemplo para o mundo.

(Fonte: Poder360)