Ajustes em energia são mais do que necessários, pontua Adriano Pires

Por

MME divulgou planejamento até 2029

Traça metas para expansão de energia

Projeção não atende às expectativas

Adriano Pires para o Poder360.

Governo quer investimentos de R$ 32 bilhões em gasodutos de escoamento e UPGNs (Foto: Agência Petrobras)

Recentemente, o Ministério de Minas e Energia (MME) colocou em consulta pública a minuta do Plano Decenal de Expansão de Energia 2029 (PDE 2029). Em grandes números, a minuta estabelece investimentos de R$ 2,3 trilhões em infraestrutura energética até 2029. Deste total, 77,6% serão absorvidos pelo setor de petróleo e gás, 19,6% pela área de geração e transmissão de energia elétrica e 2,3% serão destinados ao aumento da oferta de biocombustíveis. O documento é resultado dos estudos de planejamento setorial realizado por equipes do MME e da EPE. No entanto, um olhar meticuloso possibilita verificar que o PDE 2029 precisa, de fato, de aperfeiçoamentos.

As projeções realizadas no PDE para o mercado de gás natural, foco de intensos debates, estão em nítido descompasso com as expectativas do programa “Novo Mercado de Gás Natural”. No lançamento do programa, os ministérios de Minas e Energia e da Economia, que encabeçam a iniciativa, apresentaram investimentos da ordem de R$ 32 bilhões em gasodutos de escoamento, transporte e Unidades de Processamento de Gás Natural (UPGNs). Além disso, o gás associado ao pré-sal resultaria em aproximadamente R$ 7 bilhões anuais em Royalties e ICMS adicionais aos Estados produtores. A visão dos ministérios em questão mostra-se bem mais adequada às propostas dos programas de expansão do gás lançados, do que a minuta posta em discussão.

O “Novo Mercado de Gás” tem como um de seus objetivos assegurar o aproveitamento do gás natural associado ao pré-sal e da bacia de Sergipe/Alagoas, além de garantir novas descobertas. Nesse sentido, a geração termoelétrica será a alavancagem dos investimentos necessários para a produção e escoamento do gás do pré-sal, atraindo os empreendedores dispostos a monetizar os recursos necessários.

A inauguração do gasoduto Rota 3, prevista para 2020, ampliará a capacidade de escoamento de gás natural associado ao pré-sal em 44 milhões de metros cúbicos por dia, o equivalente a uma oferta de 10 GW para a geração termoelétrica. A oferta de 3 GW de usinas termoelétricas (UTEs) no Nordeste seria suficiente para viabilizar a produção e o escoamento do gás da bacia de Sergipe/Alagoas, garantindo a segurança energética para a região.

Entretanto, o PDE 2029 traz somente uma análise para avaliar a competitividade das UTEs a gás natural nacional, considerando apenas uma redução no preço futuro do gás associado ao pré-sal. No cenário de referência do documento, há a indicação do acréscimo de apenas 1.600 MW aos 1.000 MW de UTEs com gás natural do pré-sal, único montante de geração termoelétrica inflexível considerado. Todas as demais UTEs consideradas são flexíveis, o que caracteriza a utilização de GNL em vez do abundante gás do pré-sal. Nota-se aí outro descompasso com as expectativas do “Novo Mercado de Gás”.

Na justificativa da EPE, a inflexibilidade termoelétrica pode ser atrativa para o sistema, desde que o seu custo de operação compense a geração compulsória em momentos de grande oferta renovável. Contudo, o benefício desse recurso é decrescente, dado que, no longo prazo causará vertimento de usinas hidroelétricas, segundo o próprio PDE 2029. Tal afirmação parece desprovida de respaldo técnico, uma vez que não há termo de comparação entre segurança elétrica e energética e vertimento, pois são quantidades de efeitos completamente diferentes, mostrando claramente que o Plano desconsidera os atributos das fontes.

Observa-se que a comparação apresentada no PDE precisa de maior respaldo, uma vez que não são considerados, por exemplo, os atributos de segurança elétrica e energética da geração termoelétrica. O custo associado à falta de segurança elétrica e energética é muito superior ao custo de vertimento.

No setor elétrico, tal como o gás, o biogás pode ser um back up da produção hídrica, em épocas de pouca chuva, e para fontes intermitentes, como a solar e a eólica. Ressaltando que o biogás apresenta um alto fator de capacidade, com preços muito competitivos. Diante do aumento da complexidade operativa do Sistema Interligado Nacional, dada a elevada expansão de fontes renováveis, é de fundamental importância que o PDE considere uma adequada complementação de geração termoelétrica.

O biogás é uma alternativa de termoeletricidade com renováveis. O combustível, que também ganhou um novo impulso com as perspectivas de mudanças na legislação do gás, tem uma projeção tímida no novo PDE. No PDE 2029, o biogás é uma opção de energético para as usinas térmicas a biomassa, conjunto para o qual projeta-se expansão de 2,4 GW no decênio do estudo, dos quais 584 MW já estão contratados. O acréscimo indicativo é de 1.860 MW, sendo 11% referentes ao biogás, que vem atrás das UTEs a cavaco de madeira (32%) e a bagaço de cana (57%).

Para agentes do mercado, a expectativa é de que a abertura do mercado favoreça a produção de biogás em regiões do interior do país desprovidas de gasodutos, cumprindo papel complementar ao do gás natural. Neste contexto, o biogás pode apresentar-se como solução.

Um estudo de planejamento energético deve estar em compasso com as ações do governo, além de considerar as contribuições dos agentes do setor. É fundamental que se considere o planejamento integrado entre os setores elétrico e de gás natural. Um Plano Decenal tal como o da minuta, com descompassos em relação aos recursos de gás natural do pré-sal, deixará os investidores em geração termoelétrica, fornecedores e produtores de gás natural com nível de incerteza muito grande.

(Fonte: Poder360)

Adriano Pires é sócio fundador e diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tags:

POSTS RELACIONADOS

    SIGA NOSSA NEWSLETTER

    ENERGIA SEMANAL