O BRASIL VIVE UM PÊNDULO ELÉTRICO

Hidrelétrica: mais de 60% da oferta. Boa fonte, mas depende das chuvas. É preciso explorar mais os recursos

Adriano Pires e Xisto Vieira Filh, para o Poder 360.

Usinas hidrelétricas, como a de Tucuruí, dependem das chuvas. Para Adriano Pires e Xisto Vieira Filho, o Brasil precisa explorar melhor os recursos
Usinas hidrelétricas, como a de Tucuruí, dependem das chuvas. Para Adriano Pires e Xisto Vieira Filho, o Brasil precisa explorar melhor os recursos. (Fonte: Eletrobras)

Um fato bastante conhecido no setor energético brasileiro é a predominância da fonte hidráulica na nossa matriz elétrica. Esse cenário tem acompanhado nosso sistema elétrico por anos e ainda hoje a geração hidrelétrica corresponde a mais de 60% da oferta interna total de eletricidade no país.

Indubitavelmente, essa é uma fonte de energia excepcional, pois tem menor impacto ambiental e baixo custo na sua operação, desde que chova o necessário para assegurar seu abastecimento. No entanto, o arcabouço legal e regulatório do setor passou por várias mudanças nos últimos anos, sendo algumas com grande impacto no seu funcionamento.

Priorizar a construção de hidroelétricas a fio d’água em detrimento do modelo com reservatório para regularização de vazão reduziu a geração de energia para valores muito abaixo da capacidade instalada. O nível dos reservatórios do SIN (Sistema Interligado Nacional) fechou janeiro registrando o segundo menor valor em EAR (Energia Armazenada) dos últimos 20 anos, superior apenas ao mesmo mês de 2015, que foi um ano crítico para a geração hidrelétrica no país. O resultado foi fortemente influenciado pelo subsistema Sudeste/Centro-Oeste, que registrou apenas 26,6%.

O perfil da matriz também mudou, com expansão substancial das renováveis de baixo impacto ambiental, porém, intermitentes. Enquanto a oferta interna total manteve-se estável desde 2015, as fontes eólica, solar e biomassa cresceram de 58,68 TW (Watt-hora) para 94,3TWh, aumentando sua participação de 9,4% para 15,1%.

Já a geração termoelétrica a gás natural tem se mantido no patamar de 10% após o crescimento registrado em 2013, valor aquém do seu potencial, considerando a vantagem competitiva em custos e emissões se comparado ao carvão e aos derivados de petróleo.

A dependência da fonte hidráulica no nosso sistema leva a um “pêndulo elétrico” constante, registrado desde a década de 1970 e ainda presente nos dias atuais, principalmente a partir dos anos 2000. Em períodos de regime de chuvas favorável, a geração hidrelétrica entrega a energia esperada e tudo funciona corretamente.

Do contrário, tem início um ciclo que consiste em: (1) acionamento das térmicas disponíveis; (2) constatação de que as térmicas de baixo custo operativo esgotam rapidamente; (3) despacho das térmicas mais caras; e (4) planos para controle de emergência e medidas de racionalização do consumo. Por fim, a última etapa: rezar para São Pedro e para São Judas Tadeu, o santo das causas impossíveis.

Cabe o questionamento: vale a pena ficarmos sujeitos a esse pêndulo? Não seria mais inteligente explorar de forma mais eficiente nossos recursos e aproveitar melhor nossas oportunidades para estabilizarmos nosso sistema elétrico de uma vez por todas?

O Brasil possui infraestrutura logística, inclusive de terminais, para receber GNL (gás natural liquefeito) a preços internacionais competitivos. Temos e teremos cada vez mais o pré-sal, uma fonte excepcional de gás natural que poderá dar outra dimensão não só ao setor de gás, mas também ao próprio setor elétrico.

Para o longo prazo, a construção de usinas nucleares é uma alternativa, pois são uma importante energia de base, atuando como verdadeiros “reservatórios virtuais”. Há ainda a possibilidade de regaseificar carvão para aproveitar recursos existentes em abundância no Sul do país e de investir ainda mais em usinas a biomassa, hoje responsáveis por 8,2% da oferta interna.

No entanto, sempre que se fala na expansão dessas fontes, provoca-se reações diversas dentro do próprio setor elétrico. E nada do que está sendo colocado aqui deveria ser novidade, pois é uma tendência mundial a expansão da oferta por meio de renováveis e termoelétricas, atuando de forma complementar por meio dos serviços e atributos que oferecem.

O setor elétrico brasileiro precisa urgentemente evoluir. Já passou da hora de aprendermos a usar a diversidade energética que o país possui, bem a sua dispersão regional e pararmos de repetir práticas que só têm trazido sucessivas crises ao setor. Sempre colocando a conta no consumidor.

Temos que precificar adequadamente as fontes, incluindo os serviços e atributos que oferecem, e deixar São Pedro descansar um pouquinho. Não dá para acreditar que vamos continuar estendendo a toalha felpuda nas reuniões do setor para ver se vai dar vermelho 22 ou preto 17.

Xisto Vieira Filho, 75 anos, é diretor-presidente da Abraget (Associação Brasileira de Geradoras Termelétricas). Foi secretário nacional de Energia, diretor-geral do Cepel (Centro de Pesquisas de Energia Elétrica), diretor de planejamento e operação da Eletrobrás, vice-presidente da El Paso e diretor da Eneva

Fonte: Poder360.

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese