O preço dos combustíveis vai cair? Tire suas dúvidas

Especialistas explicam o que pode acontecer agora com a ‘crise do petróleo’

Por Douglas Gavras para o Estado de S. Paulo.

PERGUNTAS & RESPOSTAS

Os preços da gasolina e do diesel devem cair?

Seguindo a política atual de preços, a Petrobras vai acompanhar a queda do petróleo internacional. O movimento, no entanto, não deve ser o mesmo: se o petróleo lá fora cai 30%, o preço dos combustíveis no Brasil deve ter queda menor. Para José Mauro de Morais, pesquisador de energias renováveis e de petróleo e gás do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a redução vai chegar ao consumidor final. “Os preços vão cair, mas não tanto quanto o petróleo lá fora. E também não deve haver uma queda simultânea. A expectativa é de que a Petrobras aguarde alguns dias, até que seja definido o novo patamar de preços.”

O governo deve aumentar impostos para compensar a perda de arrecadação?

Um aumento da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre combustíveis está no radar dos especialistas no mercado de óleo e gás. Hoje, a Cide é de R$ 0,10 para cada litro de gasolina. A medida, além de ajudar a aumentar a arrecadação, também serviria para evitar a queda brusca nos preços da gasolina e para não eliminar por completo a competitividade do etanol. “É impopular aumentar imposto, mas estamos em uma hora de anormalidade. É preciso criar um colchão, para amortecer as perdas com arrecadação e compensar a volatilidade”, diz Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE).

Vai haver queda na arrecadação de impostos do governo?

Sim. No ano passado, só o governo federal arrecadou R$ 27,402 bilhões com PIS/Cofins e Cide sobre combustíveis e é esperado que haja uma queda na arrecadação, caso o preço do barril do petróleo fique em um nível menor. No caso dos Estados, é cobrado o Imposto sobre a Circulação de Bens e Serviços (ICMS). Alguns Estados podem ser obrigados também a reduzir o ICMS sobre o álcool, para fazer com que ele fique mais competitivo.

A Petrobras está preparada para essa queda no preço do petróleo?

Na avaliação de economistas, a Petrobras está em um momento muito mais favorável para reagir a momentos de baixa do preço do petróleo. Se entre 2015 e 2016, quando o preço do petróleo chegou a US$ 30 o barril, a petroleira estava com dívida alta e as incertezas decorrentes do início da Operação Lava Jato, hoje, a dívida líquida foi reduzida, a produção de petróleo e de gás natural aumentou 5,4% no ano passado, em relação a 2018, e a empresa conseguiu vender ativos para se reequilibrar.

A cadeia de etanol vai sentir a queda nos preços dos combustíveis fósseis?

Sim. O impacto no setor vai depender do patamar em que o preço do petróleo irá se estabilizar nos próximos dias – e do quanto a Petrobras irá repassar a queda de preço para a gasolina e o diesel -, mas o setor deve, sim, ter de reduzir suas margens de lucro. Como a gasolina rende mais no motor do carro, abastecer com álcool é mais vantajoso se o preço for até entre 70% e 75% do valor da gasolina. Quando o preço do petróleo cai, o governo tende a aumentar a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre combustíveis também para dar mais competitividade ao etanol.

(Fonte: Estadão)

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese