Como é feito o Comissionamento de Unidades Offshore?

O comissionamento de unidades offshore é um processo que consiste na aplicação de um conjunto de conhecimentos, técnicas e procedimentos que irão garantir a operacionalidade, dentro dos parâmetros de desempenho elaborados, que irão ser repassados da executante do projeto de comissionamento para o usuário final, de forma segura e ordenada, certificando sua operação com qualidade, desempenho e confiabilidade de equipamentos e informações. Ou seja, é repassar ao cliente o empreendimento solicitado, desde que esteja devidamente verificado, inspecionado e testado, desde equipamentos, módulos, subsistemas e sistemas operacionais, conforme demonstrado na Figura 1.

As atividades de comissionamento não se restringem apenas a dar partida a uma unidade, mas também está presente no processo de expansão e/ou modernização.

Figura 1: Inspeção e Teste em uma Unidade Marítima
Fonte: Rádio Proteção na Prática

Em uma plataforma de petróleo, por exemplo, o processo (ilustrado na Figura 2) de um projeto de comissionamento, engloba algumas etapas, que antecedem as duas principais fases: pré-comissionamento e comissionamento. Após realizadas as atividades de instalação mecânica e testes hidrostáticos, o pré-comissionamento conta com procedimentos que irão, em primeira instância, tornar o empreendimento comissionável através de teste e calibração de instrumentos, limpeza e verificação, energização de painéis, teste de motores elétricos e de unidades hidráulicas ou lubrificação. Já no comissionamento, os responsáveis pelo projeto utilizam práticas associadas à equipamentos especializados como medições, análises de vibrações, temperatura, vazão e ruídos, que atestam a operacionalidade do sistema atuante, assegurando a execução de forma planejada, estruturada e eficaz, atendendo aos requisitos de prazo, custo, segurança e qualidade do projeto.

Figura 2: A Participação do Comissionamento em um Projeto Offshore
Fonte: Elaboração CBIE

A complexidade irá depender do tamanho do projeto, da finalidade e sua extensão. Outro fator determinante é a quantidade e variedade de objetos comissionáveis, que englobam as centenas de equipamentos, instrumentos, circuitos, malhas, módulos, subsistemas e sistemas. Além disso, a mobilização de pessoal para execução das atividades de testes sobre tais objetos é parte crucial para entrega no prazo previamente acordado.

A lista de Sistemas Operacionais definirá como o ativo terá seu processo dividido logicamente e quais os elementos que irão compor a sequência de partida. A rede, certificados e termos estabelecerão a sequência, se estão aptos ou não para iniciar as operações após a entrega do projeto.

O cenário brasileiro conta com a adesão, para a próxima década, de mais quinze unidades offshore para os campos do Pré-sal, do tipo FPSO, que elevarão a produção de petróleo para mais de 4 milhões de barris por dia. Além disso, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) prevê para os próximos três anos, investimentos na ordem de R$ 6,6 bilhões em plataformas de petróleo ou, como são chamadas, unidades de produção.

(Fonte: CBIE)

Comments are closed.

Navigate
EnglishPortuguese