Térmicas ajudam a impulsionar o setor elétrico

Por Adriano Pires

Sistema tende a depender do clima

Termoelétricas devem compor base

 

A política energética do setor elétrico brasileiro foi construída em torno da exploração do potencial hídrico para assegurar o fornecimento a todo o sistema interligado. No entanto, a forte expansão das fontes renováveis intermitentes e a perda da capacidade de regularização dos reservatórios das usinas hidrelétricas (UHEs), em razão das usinas a fio d’água, estão deixando o sistema cada vez mais dependente do clima e tornando a operação do sistema mais complexa. Se nada for feito, a manutenção dessa condição acabará afetando a segurança energética, pesando sobre o preço da eletricidade e consequentemente prejudicando os consumidores.

Os reservatórios das UHEs têm ficado, desde 2013, com níveis abaixo do considerado ótimo. Isso indica um estresse na operação do sistema de armazenamento do Sistema Interligado Nacional (SIN). O levantamento dos dados do Operador Nacional do Sistema (ONS) mostra problemas nos 3 grandes reservatórios do SIN (Furnas, Serra da Mesa e Sobradinho), ficando abaixo de 60% nos últimos 4 anos.

Quando criado, o Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) atendia a configuração do sistema ao predomínio da geração hidroelétrica para atendimento à carga, com um complemento reduzido das termoelétricas. No entanto, nos últimos anos, a diversificação da matriz elétrica deslocou a geração hídrica da ordem de despacho nos modelos de otimização energética. Além disso, a redução do regime de chuvas revelou que o MRE está exposto não apenas as questões conjunturais como estruturais.

O MRE realoca contabilmente a energia, transferindo o excedente daqueles que geraram além de sua garantia física para aqueles que geraram abaixo. Contudo, as UHEs não têm entregado a garantia física nos últimos anos, fato corroborado pela manutenção do GSF (Generation Scaling Factor) menor que 100% desde 2014. Por isso, o sistema passou a ter a necessidade de complementação para atendimento dos contratos, cujo limite é a Garantia Física. Uma parte relevante desta complementação é feita por despacho de térmicas a combustível líquido fora da ordem de mérito, sem eficiência na alocação dos custos. Independentemente da questão ser conjuntural ou estrutural, fica claro que existe necessidade de complementação do parque hidrelétrico.

Decisões anteriores, equivocadamente, tornaram o parque gerador fortemente baseado em térmicas flexíveis movidas a combustível líquido (diesel e óleo combustível). As térmicas contratadas –com objetivo de despacho eventual– estão sendo despachadas com maior frequência, levando os Encargos de Serviços do Sistema (ESS) a valores absurdos. Os custos adicionais de despacho destas térmicas, pago por todos os consumidores do SIN, tem subido a cada ano.

Além disso, a inserção da fonte eólica, hoje com 9,1% da matriz, mas já contratado em leilão um montante que, em 2024, deverá atingir 11%, introduz desafios para a operação do sistema diante da intermitência. A solução para essa intermitência é a reserva de potência, uma folga de capacidade de geração, necessária para viabilizar a qualidade de suprimento na ocorrência de manutenções programadas e falhas das unidades geradoras, erros de previsão de carga e necessidades de regulação da frequência do sistema. A geração termoelétrica inflexível a gás natural e mesmo as nucleares atendem a esses requisitos.

O atual padrão de expansão da base de geração elétrica tem aumentado a incerteza com relação à disponibilidade de energia e ao preço. Por isso, é importante os investimentos em usinas termoelétricas de baixo custo na composição da base do sistema. A viabilização de centrais inflexíveis, respaldadas por contratos de combustível de longo prazo menos custosos, trará sustentabilidade futura do setor elétrico, além de contribuir para o maior aproveitamento do gás nacional. A hidrelétrica com reservatórios recuperados poderá fazer o serviço ancilar de reserva girante e atendimento a ponta, neutralizando parte dos efeitos decorrentes da forte inserção de energias intermitentes e sazonais. Se o preço do serviço realizado for alocado na conta, pelo preço horário, mesmo com uma menor quantidade de energia, haverá um ganho econômico para as hidrelétricas. Significa que menos energia no momento certo traz mais valor para a sociedade como um todo do que mais energia a qualquer horário.

O processo de desestatização da Eletrobras pode ser usado para impulsionar da inserção de térmicas na matriz. Essa é mais uma oportunidade de se iniciar um ciclo virtuoso promovendo a expansão do setor de energia elétrica, de forma apropriada, segura e olhando para os interesses dos consumidores.

 

 

Fonte: Poder360
Tags: Adriano Pires, Brasil, CBIE, CBIE na Mídia, Economia, Energia, Poder360, setor elétrico, Térmicas, Termoelétrica, Transição Energética

POSTS RELACIONADOS

    SIGA NOSSA NEWSLETTER

    ENERGIA SEMANAL